Profeta do apocalipse? Chefe do Banco Mundial fala sobre recessão global

Lockdowns na China, conflito entre Rússia e Ucrânia e inflação são as bandeiras vermelhas do momento

Desde nuvem de gafanhotos, alertas de tsunami, erupções vulcânicas e a própria pandemia, que não se tem paz nessas bandas do sistema solar. Será que o Thanos vem? 

De onde surgiu o alerta?

Em um evento da Câmara de Comércio dos Estados Unidos na quarta-feira (25), o chefe do Banco Mundial, David Malpass, afirmou que pode ficar muito difícil evitar que uma recessão global aconteça, isso em virtude do cenário complicado que ele analisa que estamos. 

Malpass estabeleceu que o conflito entre Rússia e Ucrânia têm criado instabilidade, aliado ao aumento dos preços de alimentos, fertilizantes e energia, o que torna a situação mais complicada gerando impactos, como a desaceleração da economia.  

O que está acontecendo?

Desde que a pandemia começou e as medidas restritivas tomadas se tornaram lugar comum ao redor do mundo, os impactos econômicos começaram a surgir, limitando a força produtiva de países dependentes uns dos outros, causando uma série de efeitos em cascata.

Nessa linha, os novos lockdowns enfrentados pela China para conter o avanço do coronavírus dão uma uma pitada na desesperança, tornando cada vez menos provável uma retomada produtiva em larga escala, levantando o fantasma da recessão global.

Recessão? É grave doutor?

Na prática, uma recessão ocorre quando o PIB (Produto Interno Bruto) de um país fica negativo por um longo período. Sendo assim, quedas no PIB por apenas um único mês, ou um único trimestre, não seriam suficientes para configurar uma recessão.

As consequências desse processo variam de acordo com o tempo que se estende a recessão, passando pelo alto desemprego e chegando em falências múltiplas de empresas. Se prolongadas, a situação se complica e cenários como crises mais severas surgem.

Que o início desses problemas econômicos se deu com a pandemia não há como negar, mas será que o resultado é o apocalipse batendo na porta?

Inscreva-se na nossa newsletter!