Suspeita de “vaca louca” em MG afeta o mercado de carne no país

O caso, considerado atípico, está em investigação e a fazenda em que ocorre a suspeita está isolada
gado

Nesta semana, o Ministério da Agricultura começou a investigar um de caso bem atípico de “vaca louca” em fazenda de Minas Gerais.

O fato, de acordo com a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), acentuou ainda mais a queda da atividade dos frigoríficos no país.

Caso não se lembre, essa doença sem cura afeta o sistema nervoso dos bovinos e altera seu comportamento, é mortal e provoca grandes prejuízos. Ela pode ser passada para humanos por meio do consumo de carne contaminada.

A fazenda onde foi encontrado o animal com a suspeita da doença já foi isolada, segundo o governador Romeu Zema informou nesta sexta-feira (03). A cidade de Minas em que ocorreu o caso não foi informada.

Segundo ele, “ainda não se sabe se é a doença contagiosa ou a outra que não é contagiosa” e todas as medidas estão sendo tomadas para que isso não se propague.

Os frigoríficos que exportam, de acordo com a Abrafrigo são os que despertam maior preocupação, já que podem estar sujeitos a suspensão de compra dos produtos.

Aqueles que trabalham apenas com o mercado interno também já estavam enfrentando um baixo movimento.

Agora, então, a ociosidade pode diminuir ainda mais a aquisição de bois diariamente, segundo a Abrafrigo.

A investigação segue em andamento e as federações da Agricultura e Pecuária de Minas (FAEMG) e a de São Paulo informaram que estão em alerta após a confirmação dessa investigação.

A exportação de proteína animal tem um papel significativo na economia de Minas e do Brasil. Nos últimos dias, o preço da arroba caiu levemente, mas segue oscilando. Agora é esperar os resultados.

Inscreva-se na nossa newsletter!