Pelo 2° mês seguido, Petrobras não conseguirá suprir demanda de combustíveis

Segundo a estatal, não será possível atender todos os pedidos de distribuidoras em dezembro
Pelo 2° mês seguido, Petrobras não conseguirá suprir demanda de combustíveis

A Petrobras anunciou na noite de ontem (23) que não conseguirá atender todos os pedidos das distribuidoras de combustíveis em dezembro. Segundo a estatal, a “demanda atípica” para o mês é o que justifica essa limitação.

Este será o segundo mês consecutivo que a petrolífera não consegue suprir os pedidos das distribuidoras no país. Em novembro, a Petrobras também não atendeu todas as solicitações.

O que quer dizer “demanda atípica”?

A Petrobras afirmou que os pedidos recebidos das distribuidoras em novembro e dezembro estão maiores do que o normal para esses meses. Quando comparado ao mesmo período do ano passado, o aumento médio nos pedidos chegou a 15%.

Um dos fatores que explica essa alta, segundo especialistas do setor, é a reabertura da economia, que impulsionou o crescimento do consumo.

Além disso, vale destacar que o mercado interno não é atendido somente pela Petrobras, mas também por exportações. Em meio a alta do dólar, as empresas estão com mais dificuldades para comprar combustíveis no mercado externo devido aos preços elevados.

Quais são os impactos disso?

Na prática, executivos do setor temem um risco de desabastecimento, já que a oferta de combustíveis é menor do que a demanda.

Porém, segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), até o momento não há nenhum indício que isso vá ocorrer, especialmente por conta das empresas aptas a comprar combustíveis no exterior.

É importante lembrar que a Petrobras oferece preços mais baixos em relação à importação. Portanto, com um volume maior de compras no exterior, isso pode refletir também nos nossos bolsos.

Inscreva-se na nossa newsletter!