Início » Negócios » Justiça cobra R$ 2,5 bi de Vale, BHP e Samarco por desastre em Mariana

Justiça cobra R$ 2,5 bi de Vale, BHP e Samarco por desastre em Mariana

A vida cobra
Reprodução/Esfala

 O Ministério Público de Minas Gerais ajuizou uma sentença contra a Samarco Mineração e suas controladoras, Vale e a BHP Billiton, em nada mais nada menos do que R$ 2,5 bilhões

Isso ocorreu em decorrência do desastre em Mariana, que causou 19 vítimas e devastou plantações, veículos e edifícios.

Na ação divulgada pelo MP, nem 30% das famílias atingidas pelo rompimento da barragem foram indenizadas.

Isso significa que as empresas deixaram de indenizar mais de 1.300 famílias e descumpriram o acordo assinado há mais de três anos. Por conta do atraso, a Promotoria solicitou que as empresas paguem no mínimo 10% da dívida.

Relembre o caso

Em 5 de novembro de 2015, a barragem chamada “Fundão” de rejeitos de mineração a 35km de Mariana em Minas Gerais se rompeu e provocou vazamentos de minério que causou tamanho estrago considerado o desastre industrial com o maior impacto ambiental da história brasileira. 

Além disso, foi o maior desastre do mundo envolvendo barragens de rejeitos com cerca de 62 milhões de metros cúbicos de minério. 

A quantidade vazada foi tão grande e em tanto volume que os rejeitos de minério chegaram ao Rio Doce que afetou também a bacia hidrográfica da região.

Consequências na operação da Samarco

O caso de Mariana foi a primeira grande polêmica envolvendo a Vale e sua subsidiária, que aconteceu quatro anos antes do caso de Brumadinho. 

Com a tragédia, a Samarco parou de operar. Mas, no final de 2020, a empresa anunciou que quer retomar as atividades.

A grande preocupação agora é com a imagem da Vale e da BHP, caso a Samarco volte a operar.

Afinal, todos estão de olho na agenda ambiental, social e de segurança (ESG), que está ganhando cada vez mais força no mercado.

Você também pode curtir: Ford anuncia investimento de R$ 62 bilhões em carros elétricos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp