Evergrande anuncia possível calote e ações despencam

O comunicado da empresa informa que provavelmente não conseguirá pagar suas dívidas
Imagem da fachada da Evergrande

Imaginem que ponto chegaram os gestores da Evergrande. Até para dar calote, eles estão emitindo comunicado.

A incorporadora Evergrande Group comunicou o mercado, avisando que provavelmente não conseguirá pagar uma dívida de US$ 260 bilhões.

“À luz do atual status de liquidez do grupo, não há garantia de que haverá fundos suficientes para continuar a cumprir suas obrigações financeiras”, informa o comunicado.

O que está acontecendo com a Evergrande?

O que está acontecendo é que a incorporadora é a empresa mais endividada da China. Como resultado, neste ano, chegou a ter mais de US$ 300 bilhões em passivos

A incorporadora já tinha informado sobre o seu problema de fluxo de caixa. O que provavelmente iria comprometer o pagamento das suas obrigações. 

Apesar de conseguir pagar algumas dessas dívidas, ao ser chamada para quitar os 260 bilhões de dólares, precisou informar sobre o seu possível calote. 

Dívidas são sempre ruins?

Nesse sentido, é bom ressaltar que é normal para uma empresa se endividar. Geralmente, ela emite dívidas para financiar o seu crescimento e utilizará a receita futura para pagar suas obrigações.

Contudo, o que não pode acontecer é esquecer que uma hora a conta irá chegar. Você precisa estar preparado para isso. O que não aconteceu com a Evergrande.

Quais as consequências do calote da Evergrande?

Antes de tudo, suas ações despencaram mais de 19% após o aviso. Dessa forma, chegando ao seu menor nível dos últimos 11 anos.

Além disso, por conta do tamanho dessa dívida, isso pode refletir em uma possível falência da empresa.

Outra consequência é que se essa dívida não for liquidada, colocará muitas instituições financeiras no prejuízo. Consequentemente, o calote pode afetar vários mercados externos. 

São só US$ 260 bilhões perdidos por aí e que não serão recuperados. Além disso, irá comprometer todo o sistema financeiro da China.

Inscreva-se na nossa newsletter!