Início » Negócios » Correios terão que investir R$ 2,5 bi por ano para ter competitividade, diz ministro

Correios terão que investir R$ 2,5 bi por ano para ter competitividade, diz ministro

É muita grana! A declaração do ministro das Comunicações, Fábio Faria, foi feita com base em um estudo
Correios terão que investir R$ 2,5 bi por ano para ter competitividade, diz ministro
(Foto: Divulgação/Correios)

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirmou na noite de ontem (7) que os Correios precisam investir cerca de R$ 2,5 bilhões por ano para manter a competitividade em relação a outras empresas do setor.

De acordo com o ministro, outros players do segmento de encomendas do Brasil investem três vezes mais do que a estatal por ano. A declaração foi realizada com base em estudos feitos pela consultoria de tecnologia da informação Accenture.

Mercado de entregas em expansão

Segundo o ministro, um dos principais problemas envolvendo os Correios atualmente é a força que os novos concorrentes estão ganhando.

“Os números que estamos estudando são assustadores, porque essas empresas têm conseguido ganhar um market share que é dos Correios a cada ano”, explicou Faria.

Em números, o market share (nome dado à fatia de mercado) atingido pelos Correios na área de encomendas caiu entre 10% a 20% ao ano, segundo o ministro.

Por outro lado, apesar do clima pessimista, é importante ressaltar que a receita da estatal subiu no ano passado. Os Correios lucraram R$ 1,5 bilhão em 2020, o melhor resultado em uma década.

Contudo, de acordo com o ministro, isso se deu por conta da pandemia, que fez com que as pessoas passassem a utilizar mais serviços de entrega.

O que todo esse discurso significa?

Todo esse discurso ocorreu em meio ao debate da privatização dos Correios, que está em alta há um bom tempo no país.

Por um lado, está em jogo a eficácia do serviço, a possibilidade de que ele seja ultrapassado por outros concorrentes e sua situação financeira no longo prazo.

Por outro, há uma preocupação com os impactos gerados aos trabalhadores e à sociedade, especialmente aos que vivem em regiões mais remotas.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp