Anatel avalia amanhã venda da Oi para a Vivo, Tim e Claro 

Desde o ano passado as operadoras aguardam o processo
foto da OI que as operadoras querem comprar

“Oi, Tim, você tá Vivo? Claro! Quem não lembra dessa? No ano retrasado, a operadora Oi Móvel se colocou à venda, e suas rivais, VIVO, TIM e CLARO fizeram juntas o arremate por R$ 16,5 bilhões. 

Gente! Eu não estava nem sabendo? Por que disso? 

Já tem um tempo que a OI não está dando conta do recado. Aliás, já está passando por um processo de recuperação judicial desde 2016. Esse processo é uma forma de uma empresa tentar se reerguer.

Contudo, no ano retrasado, os serviços móveis da OI foram colocados na prateleira, e suas inimigas foram às compras juntinhas e fizeram a aquisição por R$ 16,5 bi. 

Porém, já que no Brasil os serviços de telefonia móvel são poucos, então o CADE, Conselho Administrativo de Defesa Econômica, que é o órgão que fica de olho nas empresas para garantir a livre concorrência, precisava dar o aval. 

E não apenas o CADE, mas também a Anatel, Agência Nacional de Telecomunicações. A venda que aconteceu em dezembro de 2020 será finalmente avaliada amanhã por ela. 

E por que demorou tanto? 

Exatamente porque aqui no Brasil a concorrência nesse setor é baixa, e a aquisição de uma delas por parte das demais, convenhamos que só agrava nossa carência de brasileiros. 

Em contrapartida, as rivais alegam que de forma alguma a intenção é reduzir ainda mais a disputa, que só estão fazendo um favor para uma amiga, nesse caso a OI que está com uma dívida enorme de R$ 65 bi e que a briga entre elas vai continuar. 

Bem santinhas elas. 

Por outro lado, é necessário concordar que se uma empresa não consegue mais prestar um serviço satisfatório para os seus clientes, não há razão para mantê-la apenas para ter mais uma candidata na briga.

Logo, se você for OI, já pode se preparar para a mudança. 

E como ficarão as coisas para os clientes da falecida?

Fontes envolvidas na negociação dizem que após a aprovação dos órgãos, os clientes serão gentilmente empurrados para uma das três operadoras. 

A expectativa é que uma boa parte vá para a TIM, já que essa danada foi a que colocou mais dinheiro na mesa. 

Vale ressaltar que a OI não vai deixar de existir, só vai dedicar seus esforços em outro setor, como o desenvolvimento da banda larga e ampliação da fibra óptica.  

Quem está pronto para viver sem fronteiras?

Inscreva-se na nossa newsletter!