Índice VIX: saiba o que é e como funciona o índice do medo

Linhas variantes de gráfico, com homem olhando de canto para elas

O Indice VIX, também conhecido como “Índice do medo” é basicamente a representação das expectativas quanto à volatilidade do preço de determinadas ações – e, consequentemente, a ansiedade de boa parte dos investidores. 

Quando a gente quer investir no mercado de capitais, o mais comum é analisar várias características e indicadores do ativo em que se tem interesse para, enfim, tomar a decisão de investir de fato.

Pensando no risco, um dos aspectos mais importantes que se observa ao se estudar o comportamento de um ativo é a volatilidade, ou seja, a variação do preço do ativo num período de tempo.

É nesse aspecto que o índice VIX entra. Ele representa a intensidade dessa volatilidade entre as 500 ações mais relevantes da bolsa dos Estados Unidos da América (EUA) – ou seja, a volatilidade das ações que compõem o índice S&P 500.  

O Índice Vix depende do S&P 500?

O VIX (Volatility Index) é intrinsecamente ligado às 500 ações do Standard & Poor’s, o S&P500, pois ele mede a volatilidade desses ativos.

Como ele procura prever oscilações do mercado, é um índice acompanhado por boa parte dos investidores e serve como forte indicador de risco. Além disso, é muito usado como base para negociações de curto prazo.

Índice VIX ou Índice do medo?

Medo: da mesma forma que uma ação pode subir super rápido, ela também pode cair – e, consequentemente, seu valor investido pode “pulverizar” em questão de minutos, ou até mesmo de segundos. 

Isso não te dá calafrios? 

Bom, para muitos, isso dá!  Principalmente para os especuladores de plantão e para aqueles que focam em lucros com o curto prazo. É daí que surge o nome Índice do Medo. Quanto mais volátil, maior o risco, maior o medo da maioria…

Quanto maior o índice VIX, maior essa variação e consequentemente mais atentos esses investidores precisam ficar.

Afinal, ele é usado como um indicador de risco. O índice VIX mede essas oscilações em tempo real, mas ele representa a expectativa de oscilação para os próximos 30 dias também.

Investir estrategicamente para esperar a estabilidade futuramente, assim como aplicar em ações com um índice VIX incerto aguardando sua valorização são algumas das aplicações em volatilidade que têm se tornado comuns.

Adm

Vale lembrar que como a bolsa norte-americana influencia nas outras bolsas ao redor do mundo, a análise e a oscilação desse índice também tem sua interferência e impacto no mercado e na economia de uma série de países.

Como funciona o VIX?

O índice VIX é calculado de forma totalmente automatizada pela CBOE – Chicago Board Options Exchange – utilizando fórmulas complexas fazendo uma média ponderada da volatilidade implícita dos ativos para encontrar a volatilidade esperada para os próximos 30 dias. 

Para isso, utilizam-se de opções de compra e venda do vencimento atual e dos próximos considerando prazos, taxas de variação e médias de preços.

O que são opções de compra e venda?

Opções são contratos atrelados a outros ativos do mercado – como ações ou índices, por exemplo – que permitem que o dono desse contrato compre ou venda esse ativo por um valor específico até determinada data no futuro – o prazo.

Já ouviu falar de “derivativos”? Então! Como o preço desse contrato deriva do preço de uma ação, por exemplo, a gente também diz que ele é um tipo de derivativo! 

Surgimento do VIX

O índice VIX foi criado em 1993 por Robert E. Whaley, pesquisador em Mercado Financeiro. A Bolsa de Valores de Chicago – CBOE-  tinha a função de criar uma fórmula para esse índice. 

Assim, Robert esteve presente na criação daquela média da volatilidade implícita com as fórmulas complexas que a gente citou ali em cima. Desde então, tem sido uma forma de termômetro para a Bolsa. 

VIX em crises

Pelo fato de o VIX ser expressivo em momentos de grandes oscilações do mercado, dá pra imaginar que ele é um indicador de crises e choques econômicos também, né? 

No ataque às Torres Gêmeas em 2001, houve um grande pico para a época, chegando o índice VIX a 50 pontos. Já em outubro de 2008, na crise do subprime, o índice S&P 500 caiu 15%, o que se refletiu no índice VIX chegar a um pico de 80,86 – que, naquele momento, foi a máxima desde 2000.

Adm

Adivinha se agora em 2020, no começo da crise do Coronavírus, o índice não bombou?

É claro. Com o impacto disso nas bolsas de valores ao redor do planeta e a intensa oscilação de todas as bolsas – inclusive a S&P 500 – o valor atingido ultrapassou as máximas históricas.

Gráfico de evolução temporal do índice VIX do Google

Ainda que o índice VIX esteja atrelado à bolsa dos EUA, o investidor do Brasil também usa seu desempenho como uma forma de se policiar quanto às crises. Além disso, existe um análogo aqui no Brasil, embora não seja igual. Mas para falar disso, preciso me certificar de que você manja o que é um ETF.

O que são ETFs?

E.T.F. é sigla para Exchange Traded Fund, que basicamente é um fundo de investimento atrelado a algum índice de referência. Por exemplo, na nossa bolsa de valores, temos um ETF atrelado ao índice Ibovespa que representa todos os ativos negociados na bolsa. Esse ETF se chama BOVA11.

Assim, existe um ETF chamado EWZ (iShares MSCI Brazil) – negociado na NYSE (Bolsa de Valores de Nova York). Esse ETF tem como objetivo refletir as variações dos preços das ações mais negociadas na bolsa brasileira, a B3.

Foi criado, então, um índice – o VXEWX – baseado na volatilidade desse ETF. Esse índice é uma espécie de índice de medo para o Brasil. 

Você sabia disso?

Considerações

Em tempos de volatilidade, o VIX é um indicador que reflete no mercado os impactos que acontecimentos nas mais diversas áreas da vida humana podem trazer. 

Vale refletir sobre a forma como você olha para grandes oscilações do mercado quando ele está em baixa: medo ou oportunidade?

Inscreva-se na nossa newsletter!