Dividend yield: o que é, como calcular e analisar o indicador

Comece por aqui
Início » Investimentos » Indicadores » Dividend yield: o que é, como calcular e analisar o indicador

Entenda como funciona o Dividend Yield

A gente sabe que muitas pessoas começam a investir pensando em “comprar na baixa e vender na alta”, ou seja, lucrar com o aumento dos preços dos ativos.

Mas o que muitas vezes não fica em evidência é que uma outra forma de fazer o dinheiro trabalhar por você é por meio do recebimento dos famosos dividendos – e também dosjuros sobre capital próprio (JCP).

Mas Adm, o que é JCP?

JCP é sigla para Juros sobre Capital Próprio, que basicamente se refere a uma forma de distribuição do lucro das empresas aos acionistas, assim como os dividendos. A principal diferença é que, ao contrário dos dividendos, os JCP tem Imposto de Renda para os acionistas sobre o valor retiro na fonte.

É nessa análise que entra o indicador Dividend Yield (DY), que mede basicamente o tanto que você recebe mensalmente, no caso de Fundos Imobiliários (FIIs), e com uma frequência nem sempre determinada no caso de ações – e sempre em relação ao preço pelo qual o ativo é negociado.

Neste artigo você vai entender melhor o que significa o Dividend Yield e como ele funciona dentro de suas aplicações.

O que é Dividend Yield?

Dividend Yield significa, em inglês, rendimento de dividendos. Ele é um indicador que mostra os pagamentos efetuados pelo seu ativo no ano em relação à sua cotação (preço) atual, em outras palavras, é o valor pago em proventos (dividendos e JCP) dividido pelo preço atual da ação.

É muito importante, para o investidor que foca em receber dinheiro recorrentemente de seus ativos, conhecer esse indicador e saber calculá-lo para assim estimar e fazer suas projeções para médio e longo prazo – e até mesmo para o curto prazo, quando pensamos em alguns meses.

Ele serve, então, para mostrar o retorno que o dividendo traz em relação à sua ação ou ao seu fundo imobiliário.

Lâmpada

Atenção aqui, Jovem!

Vale lembrar também que muitas vezes o DY pago pode ficar distorcido por causa de lucros não recorrentes que entram na empresa ou ainda de outros fatores pontuais que também podem interferir na média final da quantia paga.

Por esse motivo é muito importante que o investidor não acompanhe apenas o valor do Dividend Yield, como também deve acompanhar a origem dos dividendos para entender se são vindos de pagamentos recorrentes ou de fontes pontuais.

Isso significa que qualquer indicador, assim como o Dividend Yield, não deve ser avaliado de maneira isolada. Fatores como rentabilidade da empresa e margem de lucro também devem ser levados em conta. É sempre um conjunto de indicadores que determinam se um investimento vale a pena ou não para os objetivos do investidor.

Dividendos ordinários e extraordinários

Os dividendos ordinários são originados de lucros recorrentes da empresa, ou seja, são os resultados das operações da companhia, já os extraordinários são oriundos de eventos não-recorrentes como por exemplo a venda de uma filial da empresa.

Qual é o Dividend Yield ideal?

Não existe um valor ideal, dado que esse indicador deve ser analisado junto a outros índices. 

Lembrando que o fato da empresa ter um dividend yield baixo ou mesmo não pagar dividendos não indica que ela é ruim, mas que esteja em uma fase de crescimento, optando por reinvestir grande parte dos lucros.

Por outro lado, se uma empresa paga muitos dividendos também não quer dizer que ela é boa só por isso, porque às vezes a companhia pode ter dificuldades em saber onde alocar esse lucro para aumentar o seu valor, o que pode ser prejudicial para o longo prazo;

Payout

Um bom indicador para entender melhor a saúde dos dividendos é o payout, que mostra qual a porcentagem dos lucros será distribuída como dividendos.

Por exemplo, se uma empresa tem um lucro por ação de R$ 5,00 e distribui R$ 2,50 em proventos, para descobrir o payout da companhia basta dividir 2,5 por 5,0 o que resulta em 0,5 ou 50%. 

Agora vamos pensar juntos: se uma companhia ou fundo imobiliário tem um dividend yield alto, mas possui um payout acima de 100%, significa que isso não será sustentável porque ela estará pagando mais em dividendos do que ela recebe de lucros. 

Adm

Essa reflexão parece óbvia, mas isso já aconteceu algumas vezes! Portanto, atente-se!

Como funciona o pagamento de dividendos?

Quem tem fundos imobiliários, por exemplo, recebe dividendos todo mês, é como se fosse o pagamento de um aluguel. Já quando se trata de ações, essa frequência do pagamento de dividendos varia de empresa para empresa: algumas pagam a cada dois meses, algumas a cada três ou mais, sendo que existem empresas que optam por não pagar dividendos e reinvestir todo o lucro de sua empresa na própria empresa ao invés de distribuí-lo aos acionistas.

Determinar se isso é bom ou ruim vai muito do perfil do investidor: alguns acreditam que a gestão da empresa sabe melhor como utilizar esse dinheiro que seria distribuído aos acionistas, portanto preferem que realmente seja reinvestido na empresa da qual se é acionista e assim ela cresça.

Já outros investidores, preferem receber em dividendos o valor para então decidirem por si o que será feito com o dinheiro: se irão comprar mais ações, por exemplo, ou investir em outros ativos.

Como calcular o Dividend Yield

O cálculo do Dividend Yield é muito simples e qualquer um pode fazer. A conta é a mesma para ações e para fundos imobiliários, mas vamos falar separadamente de cada um.

Ações:

No caso de ações: basta dividir os valores pagos por ação nos últimos 12 meses pelo preço atual da ação da companhia. Por exemplo, se uma ação hoje custa R$ 10,00 e nos últimos 12 meses ela pagou aos acionistas R$ 0,50 por ação, a conta é: 0,50/10 = 0,05. Em porcentagem, isso equivale a 5%.

FIIs:

No caso de Fundos Imobiliários (FIIs), basta pegar os valores pagos por cota do fundo nos últimos 12 meses e dividir pelo preço atual da cota. 

Por exemplo, se um ativo pagou R$8,00 nos últimos 12 meses e seu preço é R$ 100,00, o seu DY é 8/100 = 8% ao ano.

Se o ativo se valorizar e passar a valer R$ 120,00, por exemplo, mas continuar pagando os 8 reais de dividendos, seu DY muda no ano seguinte para: 8/120 = 0,067 = 6,7% é o seu DY.

Como dissemos anteriormente, não se pode dizer que existe um valor ideal para o Dividend Yield, mas a média que temos no mercado para FIIs geralmente fica entre 0,5% e 0,8%.

Voltando ao assunto…

Outro fator que é importante dizer é que se o valor do DY está muito alto não significa que a empresa está em bons lençóis.  Olhando para o cálculo, podemos ver que quanto menor o valor da cotação da empresa, maior fica o valor do dividendo.

Por exemplo, no caso da empresa cuja ação valia R$10 e pagava R$0,50 por ação aos acionistas. Se a empresa passar a valer R$2, ou seja, o preço da ação caiu muito, então o valor do DY passa a ser 0,50/2 = 0,25 = 25%.

Nesse caso, o DY passou de 5% para 25%, sofreu um grande aumento, mas isso ocorreu porque o preço da ação caiu muito e isso pode significar que a empresa está em declínio – ou muitas outras situações problemáticas que possam ter gerado essa diminuição do preço da ação. Por isso é tão importante não apenas analisar se o valor do DY está alto ou baixo, mas sim suas variações e o porquê de cada fato ocorrido com o ativo.

Onde conseguir as informações?

Existem muitos portais que buscam trazer informações separadinhas a respeito das empresas e dos fundos que queremos realizar os cálculos, mas o mais recomendável é beber direto da fonte: entrar no site das empresas e buscar as informações na página de Relação com os Investidores (RI). Isso para evitar dados desatualizados ou então distorcidos daquilo que realmente foi publicado pelas empresas.

Geralmente, essa página RI é usada para apresentar os resultados financeiros e operacionais periódicos das empresas, suas diretrizes, informações sobre dividendos e também quaisquer notícias que possam ser relevantes para os investidores.

Considerações

Observando a forma de se analisar o Dividend Yield de um ativo, pode-se perceber mais uma vez a analogia com a vida: nunca devemos olhar isoladamente para uma única área – por mais importante que ela seja – para entender o que está se passando e tomar decisões.

sombra adm mulher

Adm

Precisamos analisar várias perspectivas para então agirmos!

Nos investimentos, o Dividend Yield deve certamente ser analisado, mas não de maneira isolada. Isso porque existem fatores que interferem nesse indicador que só podem ser justificados e entendidos ao analisarmos outros indicadores.

Consegue ver a semelhança?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp