ESG: Fleury vai emitir R$ 1 bilhão em títulos sustentáveis

Primeira vez que a companhia emite debêntures associadas a ESG. Como assim?
Fachada-de-estabelecimento-da-Fleury

ESG de novo, meus amigos. Agora é a vez do Grupo Fleury!

Vamos relembrar?

Sustentabilidade não é só meio ambiente – embora seja muito disso também.

Adm Explica

ESG é sigla para Environmental, Social and Governance, que significa se refere a questões ambientais, sociais e de governança corporativa.  O mundo está inevitavelmente caminhando para isso - é preciso.

Agora, o Conselho de Administração do Grupo aprovou a emissão de debêntures associadas à métricas ESG.

Debêntures são títulos de dívida, basicamente uma forma de você emprestar dinheiro a empresa e em troca do risco você recebe uma rentabilidade acima das mais comuns em títulos de renda fixa.

Quanto ao grupo Fleury, trata-se da sexta emissão de debêntures de uma determinada classificação, mas é a primeira voltada a essa área, com componente ESG! Isso significa que poderá ser classificada como “sustainability-linked”.

Adm Explica

Os Sustainability-Linked Bonds (SLB) são também títulos de dívida e possuem o objetivo de fazer com que o emissor alcance metas ESG, que são medidas a partir de indicadores-chave de desempenho (KPIs – Key Performance Indicators). 

Após a emissão atrelada às metas, se tais metas não forem alcançadas há uma penalização na taxa da emissão do título. As características financeiras e estruturais desses títulos podem ser alteradas a depender da empresa atingir ou não as metas pré-estabelecidas.

Neste caso do Grupo Fleury, caso as metas ESG não sejam atendidas, os spreads sofrerão aumento de até 0,125% ao ano, 0,25% ao ano e 0,35% ao ano, respectivamente.

"Spread refere-se à diferença entre o preço de compra e venda de uma ação, título ou transação monetária."

Wikipédia

E saca só os valores mais destrinchados. O valor total da emissão é R$ 1 bilhão, dos quais: R$ 250 milhões (primeira série); R$ 375 milhões (segunda série) e R$ 375 milhões (terceira série), com prazos de 4, 5 e 7 anos respectivamente. Bora, Fleury!

Quem já emitiu SLBs neste ano foi a Natura – relacionado à emissão de gases de efeito estufa – , assim como Suzano e Klabin. No caso da Natura, a demanda pelos títulos superou em mais de quatro vezes a oferta. Wow, né? Vem forte, meus queridos.

Os recursos líquidos que serão captados pelo grupo Fleury, segundo eles, serão destinados a usos corporativos gerais, como reforço de capital de giro e alongamento de passivo.

Inscreva-se na nossa newsletter!