Brasil é o 7º país que mais recebe investimento gringo

As empresas brasileiras receberam em 2021 US$ 58 bilhões
Imagem da bandeira do Brasil e dinheiro, simbolizando o IBC-Br de maio

Fala sério se o brasileiro não tem um charme diferenciado. Um sorriso cativante, um jeitinho malandro do bem de ser, um papo fluído e afins. As empresas estrangeiras já perceberam que o Brasil é uma fábrica de talentos e estão investindo pesado aqui. 

Como assim, gente? 

O brasileiro é aquele que trabalha de chinelo e bermuda e tem ideias inovadoras para colocar para jogo. As empresas brasileiras atraíram no ano passado US$ 58 bilhões. 

Para se ter uma ideia do quanto isso foi positivo, saiba que em 2020 o aporte dos estrangeiros em nossas pessoas jurídicas foi de US$ 28 bi. 

Essas aplicações se dão através do “Investimento Estrangeiro Direto”. Ou seja, não acontecem por meio de negociações na bolsa de valores. 

Ué, como são feitos esses investimentos então? 

Existem diferentes maneiras de se fazer um investimento estrangeiro direto, IED. Sim, tem sigla para tudo hoje em dia. 

Algumas formas são: gringas abrindo filiais em terreno brasileiro; aquisição de uma parte da empresa verde e amarela; reaplicação de lucros, que quer dizer, injetar os rendimentos que se obteve na mesma empresa para que ela cresça mais, e através de empréstimos recíprocos. 

Acho que nem é preciso detalhar cada um, já que são bem auto explicativas. É exatamente como você está pensando, sem pegadinhas. 

Dito isso, vale pontuar que dos US$ 58 bi que entraram aqui, US$ 24,5 bilhões vieram justamente de reinvestimentos. 

Isso quer dizer que em vez de pegar o rendimento que a empresa canarinha deu para comprar uma ação do Facebook, os investidores injetaram no mesmo lugar. 

Ou seja, está botando confiança ou não está? 

Só vem! 

Mas isso é bom só para a empresa ou para o país todo? 

É motivo para descer, subir, quicar e rebolar igual a Isabela solta no baile. 

Porque quanto mais as empresas crescem por aqui, ou, quanto mais empresas estrangeiras se estabelecerem por aqui, mais empregos teremos, mais gente com dinheiro na carteira. 

Em razão disso, mais consumo, mais investimento em produção, equilíbrio entre oferta e demanda, e tchau inflação ‘lazarenta’. 

Só sucesso! 

Inscreva-se na nossa newsletter!