Bolsa derreteu. Afetou por aí?

Queda generalizada é sintoma de que as coisas não vão bem
Foto da fachada da bolsa de valores B3

Pelo visto a bolsa já decidiu entrar em clima de São João, e a música “cai, cai balão” não parece que será uma trilha sonora muito feliz para a turma dos investimentos. 

Bolsa cai forte

Nesta segunda-feira (13), o movimento da B3, a bolsa de valores brasileira, está sendo capaz de causar arrepios nos investidores. Por volta das 15h30, o Ibovespa, que é o índice que mede o desempenho das ações listadas na B3, apresentava queda de 2,65%.

Com isso, o índice que chegava a 102.687 pontos, já acumula uma sequência de quedas há 7 dias. No entanto, o resultado não é exclusividade da B3, e o fantasma das quedas já  assombra também outras bolsas globais, como a Nasdaq, em NY, que caia 3,79%.

Leia mais:

Bitcoin tristonho no final de semana

Brasileiros mais pobres desde 2012

O que está acontecendo?

O cenário atual está sendo pressionado principalmente pelos suspiros da economia lá na terra de Joe Biden. Na última sexta-feira (10), o resultado da inflação nos EUA para maio acabou surpreendendo negativamente, o que criou uma onda de temor ao redor do mundo.

Esse dado é importante pois dá indícios ao mundo sobre como ficarão os próximos movimentos da taxa básica de juros americana. Portanto, se ela aumentar para acompanhar as altas nos preços, acaba tendo o poder de mexer com todo o tabuleiro dos investimentos no mundo.

Isso acontece pois os investimentos atrelados à taxa tendem a ficar mais apetitosos. Desta forma, os investidores acabam se expondo menos a ativos de risco, como as ações, e fogem para investimentos mais seguros, o que derruba as bolsas, como no caso da B3.

E como fica o dólar nisso?

Não é novidade que a cada novo rebuliço nos mercados a moeda americana acaba sendo afetada. Com a instabilidade na economia, também por volta das 15h30 o dólar dava um pulo de 2,15% e era negociado a R$ 5,10.

Esta semana ainda aguarda muitas emoções. Dentre elas, a expectativa fica para a quarta-feira (15), quando os bancos centrais dos EUA e Brasil se reunirão para discutir as suas taxa de juros. A semana promete!

Inscreva-se na nossa newsletter!