Rússia e Ucrânia assinam acordo

Tendo a Turquia e a ONU como intermediadoras da reunião, parte dos apertos com os alimentos no mundo pode diminuir
Imagens de soldados, simbolizando acordo entre Rússia e Ucrânia

Não é novidade para ninguém o fato de que os preços dos alimentos estão pela hora da morte, mas com o recente acordo entre Rússia e Ucrânia, a crise pode esfriar um pouco.

Vamos conversar…

Nesta sexta-feira (22), Rússia e Ucrânia resolveram aliviar as tensões globais sobre os alimentos que a guerra entre os países trouxe. O acordo tem como objetivo principal normalizar as exportações de grãos na Ucrânia, interrompidas desde fevereiro deste ano. 

O movimento ocorreu com a intermediação da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Turquia, país que sediou a reunião. Apesar do acordo, esta não é uma trégua entre os países que se apresentam como peças chaves no tabuleiro alimentar mundial.

Leia mais:

BCE aumenta taxa de juros pela primeira vez desde 2011

Arrecadação do governo federal é recorde no primeiro semestre

Qual a importância do acordo entre Rússia e Ucrânia?

Antes dos conflitos iniciarem, os países já ocupavam espaço determinante no fornecimento de grãos ao mundo. Por exemplo, ao considerar as exportações somadas em ambos, eles atendiam quase 30% de toda a demanda de trigo do planeta.

De acordo com o governo americano, a Ucrânia, duramente afetada pelas iniciativas da Rússia, é a quarta maior exportadora de milho do mundo. Além disso, vários derivados também são fornecidos pelo país, como, por exemplo, 42% de todo óleo de girassol consumido pelo mundo.

Com os bloqueios, toda a cadeia global sofreu, pressionando os preços em todos os países que tratavam com a região. Portanto, além da alta dos derivados do petróleo, também motivada pelos conflitos, a crise alimentar é um forte sinal vermelho para o mundo. 

E daqui pra frente?

Segundo autoridades ucranianas, mais de 20 milhões de toneladas de grãos estão paradas neste momento dentro do país. Apesar da assinatura do acordo, contudo, a normalização no vai e vem de mercadorias por lá ainda poderá levar mais algum tempo.

Desta forma, os portos ucranianos bloqueados no mar negro são as chaves do acordo, representando cerca de 80% das exportações do país. Portanto, para garantir o cumprimento da iniciativa, será criado um centro de monitoramento na Turquia. Será que vaid ar certo?

Inscreva-se na nossa newsletter!