Início » Internacional » Rússia e a caça às criptomoedas é o novo debate interno

Rússia e a caça às criptomoedas é o novo debate interno

Os russos estão debatendo sobre a legalização da mineração de criptomoedas no país
Bandeira da Rússia com uma criptomoeda
(Getty Images)

Os mineradores de criptomoedas estão dançando ao estilo Baryshnikov na mãe Rússia.

Há meses o Banco Central da Rússia e a Câmara Legislativa do país, Duma, debatem sobre uma possível legalização das criptomoedas em solo russo.

Apesar disso, Andrey Lugovoy, deputado russo, ameaçou colocar os mineradores no xadrez caso liguem seus equipamentos à rede elétrica russa sem a devida autorização oficial.

A fala do político contradiz a tentativa da Rússia de legalizar a mineração, porém, vai de encontro à pressão contrária do Banco Central russo, que não admite o Bitcoin como moeda por não haver centralização, o que acontece com as moedas oficiais.

Outro problema se dá pela necessidade de abrigo por parte dos mineradores.

Voltando um pouco no tempo, no ínicio de 2021 a China baniu a mineração de criptomoedas assim como qualquer transação utilizando esses ativos. Dessa forma os mineradores foram obrigados a migrar para outros países, como EUA, Cazaquistão, Canadá e Rússia.

O país que mais se tornou promissor para eles foi o Cazaquistão, por conta de sua energia elétrica mais barata. Contudo, a alta atividade de mineração tem causado blecautes no país, o que não deixa um cenário agradável para os mineradores.

Dito isto, vale ressaltar que muitos deles se refugiaram na Rússia, mas por conta do grande consumo energético, podem ocorrer problemas como falta de alimento em algumas regiões. 

A Rússia está buscando legalizar a atividade o mais rápido possível com a ideia de cobrança de impostos, de forma a controlar o setor e gerar receita para o país.

Vamos continuar acompanhando a saga das Criptomoedas pelo mundo e o que sua mineração pode causar aos países que a permitirem, além do alto consumo energético.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp