PIB dos EUA encolhe e país entra em recessão técnica

O novo status vem após a divulgação do PIB para o segundo trimestre do ano
Imagem de notas de dólar, simbolizando PIB dos EUA

Diante do resultado para o PIB dos EUA, o mercado já avalia que uma recessão de fato não pode mais ser encarada só como uma ameaça…

PIB dos EUA em declínio

Na manhã desta quinta-feira (28) o governo americano divulgou o resultado para o PIB do país no segundo trimestre de 2022. Assim como no trimestre passado, quando o Produto Interno Bruto americano recuou 1,5%, neste trimestre mais um recuo foi observado.

De acordo com o Departamento de Comércio dos EUA, que foi o órgão que entregou os dados, a economia americana encolheu mais 0,9%. Portanto, com o resultado que surpreendeu negativamente as análises, agora o país entra em “recessão técnica”.

Leia mais:

Brasil ganha sua primeira fábrica de hidrogênio verde

Fed aumenta taxa de juros dos EUA, de novo

Mas o que é recessão técnica?

Primeiramente vamos ao que significa PIB. O Produto Interno Bruto é a soma de todos os bens e serviços produzidos dentro do país em um período. Ou seja, dizer que houve um encolhimento do PIB, quer dizer que, de forma geral, a economia ficou menos produtiva.

Neste sentido, avaliar o resultado do PIB significa olhar para o quadro de saúde econômica do país, identificando como ela esteve naquele período. Contudo, apenas um resultado não nos permite saber se o país está melhorando ou piorando.

Desta forma, para entendermos melhor as tendências, mais resultados precisam ser utilizados. Portanto, na prática, com duas retrações seguidas do PIB dizemos que o país entrou em uma recessão técnica, que é o status atual dos EUA.

Pode piorar?

Apesar de também negativa, uma recessão técnica ainda não é uma recessão de fato, onde a crise econômica é muito mais profunda e prolongada. Além disso, o resultado de hoje passará por novas revisões em agosto e setembro, tornando este ainda não definitivo.

No entanto, diante do cenário econômico dos EUA, não seria surpreendente ver as coisas se manterem negativas. Enfrentando a pior inflação dos últimos 40 anos, e com sua taxa de juros subindo, o país, deverá continuar passando por essa friaca em sua economia.

Inscreva-se na nossa newsletter!