Payroll: empregos nos EUA surpreendem, e isso é um alerta

O resultado de julho por lá superou as previsões em mais de 100%, podendo mexer no jogo dos investidores
Imagem de bandeira americana e cédulas de dólar, simbolizando Payroll dos EUA

Com poder de elevar a taxa de juros dos EUA mais do que o esperado, o Payroll de julho informou que a inflação de Biden pode estar longe de ter um fim.

EUA dobraram a meta

Quebrando as expectativas do mercado, o Departamento de Trabalho americano divulgou hoje (05), que os EUA criaram 528 mil empregos em julho. Portanto, com o resultado, os analistas, que previam um número muito menor, por volta de 250 mil, ficaram chupando dedo.

Além disso, por causa da alta, houve uma redução do desemprego no país, que agora atinge 5,7 milhões de pessoas. De acordo com o Payroll (já explico), neste mês de julho, os números retornam, pela primeira vez, ao nível de antes da pandemia. Mas isso preocupa…

Leia mais:

Copom eleva a Taxa Selic e o tom ao mesmo tempo

Depois de mais de um ano, Petrobras reduz preço do diesel

Payroll?

Responsável por entregar os dados dos empregos urbanos nos EUA, o indicador é um dos mais importantes sensores da economia americana. Contudo, ao analisar o Payroll, sempre caberá observar, em paralelo, como o mercado previa que sairiam os dados.

Ou seja, com resultados abaixo do esperado, o sinal é de desaceleração econômica. Por outro lado, ao ficarem acima, o sinal é de aceleração. Nesse sentido, a cada mês em que o Payroll é divulgado, turbulências podem ser esperadas no mercado, sobretudo no Fed.

Fed e Payroll: relação íntima nos EUA

Como o Fed, que é o banco central dos EUA, tem como uma das funções lidar com o caos da inflação, o Payroll acaba servindo de sinal ao órgão. Portanto, com o resultado de julho indicando economia acelerada, o que ajuda a impulsionar a inflação, o Fed fica encurralado.

Antes, a alta nos juros americanos esperada para conter a inflação era de 0,5%. Porém, com o resultado surpreendente, talvez possa ser maior. Com isso, a renda fixa dos EUA ficaria mais atrativa, pressionando negativamente as ações não só por lá, mas em todo o mundo.

Por exemplo, na manhã de hoje, o S&P 500 e o índice Nasdaq, indicadores das ações nos EUA, sentiam o golpe do Payroll e caiam. Aqui apesar da estabilidade na B3, o dólar também sentiu, chegando a subir mais de 1%, ao atingir os R$ 5,27.

Inscreva-se na nossa newsletter!