O preço do petróleo vai triplicar?

De acordo com projeção, Rússia pode dar um xeque-mate no mundo
Imagem de plataforma de petróleo, simbolizando o aumento do preço do petróleo

Parece que a cada nova notícia, uma recessão global se torna cada vez mais próxima, e no xadrez das relações internacionais, de novo, é o preço do petróleo que amplia o suspense.

Esqueça o desconto…

Na última sexta-feira (01), a quarta maior empresa do mundo e gigante do mercado financeiro, a JP Morgan, fez uma previsão “catastrófica” sobre a crise do petróleo. De acordo com a instituição, caso a Rússia queira, ela pode triplicar o preço do ítem.

O alerta vem alinhado com o xadrez global de ações e reações referentes aos conflitos entre Rússia e Ucrânia. Segundo a análise da JP Morgan, o barril que hoje flutua no patamar dos US$ 110, pode subir a incríveis US$ 380, jogando o mundo de vez na lama.

Leia mais:

Senado aprova pacote de bondades no valor de R$ 41,25 bilhões

Estatais apresentam lucro histórico em 2021

Por favor, me dá o contexto

Desde que a Rússia ordenou os primeiros ataques à Ucrânia no final de fevereiro deste ano, o cenário internacional do petróleo sofreu um golpe severo, uma vez que a Rússia ocupa a segunda posição mundial em produção de petróleo bruto.

No entanto, por causa dos conflitos, vários países do mundo reagiram conjuntamente impondo uma série de barreiras comerciais ao território de Putin. Dentre estes, o G7, grupo das 7 maiores economias globais, que avalia limitar, à força, o preço do petróleo por lá.

Contudo, caso esta sanção ocorra, segundo a análise, a Rússia poderia tranquilamente fazer birra e reduzir a sua produção. E é nessa retaliação extrema, que o país poderia desaparecer magicamente com todos os esforços globais de conter a alta dos combustíveis.

Como fica o Brasil se o preço do petróleo subir?

Por aqui a situação não seria simpática. Em primeiro lugar, a Petrobras estabelece os seus preços justamente com base nas variações do mercado global. Neste caso, se a Rússia decidir afundar o navio, o Brasil seria um dos primeiros a procurar um colete salva-vidas.

Posteriormente, nenhuma das medidas tomadas pelo governo, sejam em benefícios ou cortes de impostos, surtiram mais efeito significativo. Portanto, cabe manter a atenção nos próximos capítulos desta novela que, por enquanto, não parece que vai melhorar.

Inscreva-se na nossa newsletter!