O PIB dos EUA encolheu no último trimestre

O resultado para primeiro trimestre do ano surpreendeu negativamente as expectativas, e isso é preocupante
Imagem da bandeira americana, simbolizando o PIB dos EUA

Parece que Biden andou vacilando na aula de poções do professor Snape e acabou deixando cair um pouco de essência redutora de economia no café do PIB dos EUA.

Puft! O PIB dos EUA encolheu

Na manhã desta quarta-feira (29) o governo americano divulgou o resultado para o PIB dos EUA no primeiro trimestre de 2022. Desta vez a estimativa deu conta de apresentar uma queda anualizada de 1,6%.

Os dados vêm do Departamento de Comércio dos EUA, e revelam que a situação acabou ficando pior do que o esperado. Isto pois, esta, que é a terceira e definitiva estimativa  para o trimestre, também é a que apresentou o cenário de queda mais acentuado para o PIB.

Leia mais:

Dividendos da Petrobras vão encher o cofre de Bolsonaro

Contratações no Brasil estão a todo vapor

Mas o que o PIB representa?

O Produto Interno Bruto, ou PIB, é a soma de todos os bens e serviços produzidos dentro do país, durante um determinado período de tempo. Ou seja, dizer que houve um encolhimento do PIB, quer dizer que, em linhas gerais, a economia ficou menos produtiva.

Neste sentido, avaliar o PIB de um país é observar o seu quadro de saúde, o que, para a comunidade internacional, é algo de extrema relevância. Contudo, para uma superpotência como os EUA, o quadro do PIB é ainda mais significativo, e por isso o dado atual preocupa.

O que está acontecendo?

Os resultados na terra de Joe Biden têm sempre o poder de nortear o clima mundial sobre como o cenário pode ficar. Portanto, a queda atual de 1,6% para o PIB americano levanta o temor de que o mundo possa entrar, ainda mais, em uma nevasca econômica.

A retração indicada é a primeira desde a queda brusca que a pandemia impôs ao país. Contudo, desta vez, o recuo foi ainda mais estrutural ao contabilizar o movimento de alta na taxa básica de juros americana, que está sendo usada para conter a inflação.

No entanto, por esse fenômeno estar se repetindo em vários países, inclusive no Brasil, onde a Selic já está em 13,25%, o cheiro de recessão, que seria um período mais longo e disseminado de quedas, acaba ficando no ar e preocupando o mercado global.

Inscreva-se na nossa newsletter!