Biden vai aliviar sanções impostas a Cuba e a Venezuela

Razões não são claras, mas o motivo pode ser o petróleo
foto de Biden

Isso pode queimar a imagem do presidente dos EUA ou não? O governo Biden anunciou a suspensão de algumas sanções impostas a Cuba. 

“Havana, ooh na-na…”. 

Biden vai aliviar o lado de Cuba e Venezuela?

Sim. Inclusive a suspensão das sanções teve início ontem. De acordo com o governo estadunidense, o motivo é a necessidade de reduzir o sofrimento da população

O anúncio feito pelo Departamento de Estado causou divisão no congresso dos EUA. O senador republicano, Marco Rubio, declarou que o presidente diz apoiar a democracia e os direitos humanos, mas faz concessões aos ditadores.

Ou seja, chamou o Joe Joe de duas caras. 

Com relação a Venezuela, não há um comunicado oficial. 

Contudo, duas fontes dentro do governo disseram que a americana Chevron, empresa do setor petrolífero, foi autorizada a negociar com o país venezuelano. 

A gasolina mais barata muda um homem…

Então foi por causa do petróleo?

Essa é a fofoca que rola entre os especialistas. Porém, pode haver outras razões. 

Além dos motivos políticos, que farão o Biden ganhar pontinhos com candidatos democratas, há a preocupação com a ameaça do México de boicotar a Cúpula das Américas. 

Isso porque o presidente americano declarou anteriormente que Cuba, Venezuela e Nicarágua não receberiam convites para participar do encontro, que vai acontecer em junho deste ano. 

Com a declaração, o presidente mexicano ameaçou atrapalhar as negociações entre os países de toda a América durante a reunião. 

E quais sanções foram suspensas?

1º – Fim do limite de US$ 1 mil por trimestre. Esse era o valor máximo que as famílias cubanas residentes nos EUA podiam enviar para seus parentes em Cuba. 

2º – Aumento no número de voos. Isso porque o ex-presidente Donald Trump havia reduzido a quantidade de viagens para o país da cantora Camila Cabello. 

3º – Permissão para que norte-americanos aumentem o apoio financeiro a empresários cubanos.

Inscreva-se na nossa newsletter!