BCE aumenta taxa de juros pela primeira vez desde 2011

Com o primeiro aumento da taxa de juros em 11 anos, o Banco Central Europeu cedeu à dura realidade e encerrou uma era na Zona do Euro
Imagem de bandeiras de União Europeia, simbolizando taxa de juros do BCE

Depois de anos de festa com taxa de juros negativa, punindo os bancos que quisessem poupar, o BCE agora deverá curar a ressaca, e passar a lidar com a inflação galopante.

A conta chegou

Nesta quinta-feira (21), o Banco Central Europeu (BCE), informou que decidiu, enfim, subir suas principais taxas de juros. De acordo com o órgão regulador da política monetária nos 19 países da Zona do Euro, a principal taxa, a de depósitos, sobe hoje,como as demais, 0,5%.

Desta forma, com a elevação, a taxa, que desde 2014 estava em -0,5%, agora vai a 0%. Depois de 11 anos de extrema resistência para aumentar a taxa de juros, o BCE, agora precisa encarar a inflação recorde e abandonar sua estratégia arriscada de juros negativos.

Leia mais:

Energia solar se torna a terceira maior da matriz brasileira

Presidente Bolsonaro diz que Auxílio Brasil maior deve continuar

BCE com taxa de juros negativa?

Primeiramente vamos entender como funciona a taxa de juros. Ao subirem as taxas, os BCs sinalizam que o custo dos empréstimos e financiamentos ficou maior. Ou seja, os rendimentos de quem empresta, sejam bancos ou investidores, também aumentam.

Contudo, com taxas de juros em baixa, e até negativas, como era na Zona do Euro, o fenômeno é inverso. Neste caso, o BCE sinalizava a investidores e bancos que, naquele momento, guardar dinheiro não deveria ser estimulado, e então forçava que o dinheiro circulasse.

No entanto, essa estratégia acaba sendo uma bomba relógio quando se trata de inflação. Ao estimular a todo custo empréstimos, ao punir com taxas que o dinheiro dos bancos fique parado, o consumo de empresas e cidadãos explode, empurrando preços para cima. Sacou?

E como está a inflação por lá?

De antemão o Adm dá o spoiler: a situação é crítica. Na última terça-feira (19), um órgão da Zona do Euro divulgou que, com o resultado de junho, os preços já acumulam nos últimos 12 meses uma alta de 8,6%. A maior de toda a história para os 19 países da região.

Apesar da elevação de hoje, a comunidade global entende que o BCE demorou demais para abandonar a taxa negativa. Portanto, depois da era de fortes estímulos do órgão à economia, parece que, ao se somar com a crise global, a conta triste agora chegou.

Inscreva-se na nossa newsletter!