Argentina pretende criar estatal de alimentos para reduzir a inflação

Índice está em 50,7%
Presidente da Argentina

Será que o Messi tem títulos do tesouro da Argentina? Com inflação na casa dos 50,7%, governo pretende criar estatal de alimentos para tentar reduzir o alto índice. 

Rapaz, recalcule essa rota…

Como assim estatal de alimentos? 

A princípio, o porta-voz do governo da Argentina apenas jogou a informação e saiu correndo, sem dar maiores detalhes. Contudo, a ideia é criar uma empresa do estado que facilite a entrada de alimentos de pequenos e médios produtores nos mercadinhos das esquinas. 

Isso porque, os grandes produtores ainda detém a maior parte das prateleiras. Assim, com mais opções, não faltariam produtos, e não haveria necessidade de subir o preço dos já disponíveis. 

Ué, parece um bom plano. Não é? 

Segundo analistas, não. Pelo menos não a longo prazo, já que em um primeiro momento o problema seria levemente suavizado e só depois viria o tombo. 

Vamos queimar uns neurônios juntos. Pense que a criação de uma estatal gera custos. Logo, se o governo já está quase engolindo lama de tanto que deve, seria esse o momento de fazer mais uma dívida? 

Um outro ponto é que oferecer diferentes marcas de batatinhas chips nos mercados pode até reduzir a inflação no início, porém, se a produção desses produtos não aumentar também, logo mais vai voltar a faltar. 

E aí? Como fazer esse povo produzir? 

Primeiramente, colocando mais dinheiro no caixa dos produtores da Argentina. “Ah, buguei!”. “Isso não aumenta ainda mais a dívida do país?”. 

HÁ! Pegadinha do malandro! 

Sim, bebê! É por isso que quem deve colocar esse dinheiro na carteira dos empresários são os investidores nacionais e internacionais, não o governo.

E para atrair essa galera das Wall Street da vida, primeiramente, o governo precisa oferecer um bom rendimento para pagar os empréstimos que os investidores farão para a Argentina. 

Então, elevar sua taxa básica de juros para 42,5% com uma inflação em 50,7%, ainda não parece sexy o suficiente para chamar as verdinhas. 

Meu filho, pare de miséria, suba esses juros!  

Por fim, pagar suas dívidas e parar de fazer novas pode funcionar mais e a longo prazo.

Inscreva-se na nossa newsletter!