A incrível vida de Elon Musk

Do menino rejeitado a um dos homens mais influentes do mundo
Comece por aqui
Início » Reportagens Especiais » A incrível vida de Elon Musk

Elon Musk nasceu em Pretória, na África do Sul, em 1971. Filho de Maye e Errol Musk, Elon era o filho mais velho do casal, que ainda teria Kimbal (1972) e a caçula Tosca (1974).

Errol era um bem sucedido engenheiro eletromecânico, piloto e marinheiro. Contudo, como pai, era emocionalmente abusivo e duro com seus filhos. Já Maye, mãe do jovem gênio, tornou-se modelo aos 15 anos, profissão que exerce até hoje aos 73 anos, tanto nas passarelas como em editoriais, bem como nas maiores revistas de moda do mundo, tais como Vogue e Time. Além disso, Maye dirige seu próprio negócio de nutrição há mais de quatro décadas, em oito cidades e três países.

Filho de peixe, peixinho é.

Musk teve uma infância conturbada. Além da separação de seus pais aos 10 anos, sofria com episódios recorrentes de bullying. Sem mencionar as surras que eram constantes, de modo que, em uma determinada ocasião, Musk apanhou tanto que desmaiou e foi levado ao hospital.

Esses episódios fizeram com que Elon fosse uma criança tímida e introspectiva que se refugiava nos livros para fugir de sua realidade nada amigável.

O começo …

Elon Musk era uma criança sedenta por conhecimento. Aos 8 anos de idade, em 1979, já tinha lido toda a enciclopédia britânica e completado um curso de informática de 6 meses em 3 dias. Aprendeu a programar sozinho e era fissurado em livros de ficção científica. Uma das melhores leituras que teve, segundo ele mesmo, foi o “Guia do Mochileiro da Galáxia”.

Adiante, em 1983, quando tinha 12 anos de idade. Musk colocou em prática o que aprendeu no curso de informática, e criou um game temático de espaço, o “Blastar”. O código-fonte do jogo foi publicado numa reconhecida revista sul-africana e depois foi vendido por US$ 500.

Vai nascendo uma estrela.

A paixão por games mesclada ao espírito empreendedor não pararam ali. Aos 16 anos, em 1987, ele e o irmão Kimbal quase abriram um fliperama perto da escola onde estudavam. Eles já tinham o contrato de aluguel e os fornecedores na mão, mas os pais da dupla se recusaram a dar a permissão legal para que o negócio virasse realidade. Por essa razão, o fliperama dos Musk não saiu do papel.

A faculdade…

Com 18 anos, em 1989, ele abandonou a África do Sul, já que não possuía expectativas para o seu futuro, e foi estudar física e economia no Canadá, na Queen’s University, aproveitando da cidadania canadense de sua mãe. No fundo, a intensão era facilitar sua ida definitiva para os Estados Unidos.

Em 1992, já com 21 anos, depois de passar quase três anos no Canadá, Musk finalmente se transferiu para a Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos.

Porque precisava de dinheiro para bancar seus estudos, Musk transformou a casa onde morava numa balada. Ele e um amigo alugaram uma casa de 10 quartos e, nos finais de semana, o local era o ponto de fluxo de jovens universitários. O custo de entrada era de US$ 5 e em apenas uma noite, conseguiam pagar pelo aluguel da casa.

Os miseráveis foram uns gênios.

Em 1995, já aos 24 anos, Musk mudou-se para a Califórnia para começar um doutorado em física aplicada e ciência dos materiais na Universidade de Stanford. Nesse mesmo ano, ocorria o boom das empresas.com. Então, 48 horas após ter se matriculado, Elon Musk largou Stanford pra empreender com esse mercado aparentemente gigantesco que estava surgindo na internet.

Empreendedorismo…

Musk e seu irmão Kimbal, fundaram a Global Link, uma empresa que fornecia uma espécie de guia virtual de atrações da cidade. Um conceito ridículo de comum hoje, mas inovador duas décadas atrás. Logo, websites recém criados como o The New York Times usufruíam dos serviços da Global Link, posteriormente rebatizada de Zip2.

Em 1999, 4 anos depois de começar sua primeira empresa, enquanto o mundo vivia a bolha ponto.com, a gigante de produtos e serviços Compaq comprou a empresa dos irmãos Musk por US$ 307 milhões. A parte de Elon no acordo foi de US$ 22 milhões.

Nesse ano, Musk usou US$ 12 milhões da venda da Zip2 para cofundar a X.com, empresa de pagamentos e transferências financeira e US$ 1 Milhão para comprar uma edição limitada de um McLaren.

Eu nem julgo. Faria o mesmo.

No ano 2000, a X.com se fundiu com a Condiniti, sua principal concorrente, e deu origem ao PayPal, serviço de transferência de dinheiro online. Elon se casou com Justine Wilson, sua namorada desde a época da faculdade no Canadá.

Em 2002, a eBay comprou a PayPal por US$ 1,5 bilhões. Aos 31 anos de idade, ao vender sua participação, o patrimônio de Elon foi dos US$ 22 milhões iniciais para US$ 180 milhões

Elon começou a idealizar o Mars Oasis, projeto que objetivava instalar uma estufa experimental em Marte e tentar cultivar alimentos no árido e tóxico solo marciano. Para tanto, ele precisava adquirir um míssil balístico intercontinental russo a um preço acessível. Se possível, um modelo usado, já que este seria mais barato.

Quem nunca precisou de um na vida, não é mesmo?

Plano ousado…

A princípio, a ideia era excêntrica mesmo para os padrões de Musk. Em outubro de 2001, Elon viajou para a Rússia para reuniões com empresas que já haviam construído sondas para o governo soviético, mas Musk não teve sucesso nas negociações.

A decepção não o fez desistir. Ele pensou: “Se não há uma solução disponível, criarei essa solução”.

No voo saindo de Moscou, Elon pensou que já que os Russos não queriam vender os foguetes, ele mesmo iria fazer os seus.  Calculou que as matérias-primas para construir um foguete eram apenas 3% do preço de venda. E assim, com o investimento de US$ 100 milhões, em 2002 nasceu a SpaceX – Space Exploration Techonology.

Musk idealizava fazer foguetes reutilizáveis para reduzir seus custos de produção, possibilitando assim a realização de viagens em massa para o espaço e acima de tudo: colonizar marte e fazer da espécie humana uma espécie multiplanetária.

Em 2004, enquanto os engenheiros da SpaceX trabalhavam na criação de seu primeiro foguete, a Tesla Motors, pioneira na fabricação de carros movidos a bateria, chamou a atenção de Elon pois, apesar de ter um arranque superior a carros movidos a gasolina os modelos não eram “sexys”.

Inclinado a fazer parte da missão da TESLA de acelerar a transição para o uso de transporte sustentável, Elon Musk fez um aporte de US$ 6,5 milhões na empresa. Em paralelo ao seu negócio de foguetes, e se tornou um dos principais acionistas da fabricante de carros elétricos.

Em 2006 a Tesla apresentou seu primeiro carro, o Roadster, que tinha autonomia de 394 km com uma única carga e custava US$ 100 mil. No primeiro dia de pré-venda, a empresa conseguiu vender 100 carros. O diferencial era que a Roadster era sexy e tinha uma arrancada digna de supercarros. Dentre os primeiros compradores, estava o astro de Hollywood Leonardo Dicapprio.

Os fracassos…

SpaceX havia finalizado seu primeiro foguete em 2006, batizado de Falcon 1. Na primeira tentativa de lançamento, a criação decolou e subiu constantemente até meio minuto. Mas o combustível havia vazado, o que resultou em pedaços do Falcon 1 caindo de volta à Terra.

Enquanto isso, no ano seguinte, em 2007, o CEO e um dos fundadores da Tesla, Martin Eberhard, que havia prometido entregar os 100 primeiros Roadsters, enfrentava uma série de problemas de gestão, o que fez com que ele empurrasse a data de entrega para frente. A situação gerou uma grave crise financeira, resultando na expulsão de Martin, agora comandada por seu maior investidor, Elon Musk.

No mesmo ano que assumiu o comando da TeslaMusk acompanhou o segundo lançamento do Falcon 1 para a SpaceX. O foguete conseguiu ficar 5 minutos no ar, mas, no estágio de separação, uma oscilação do motor fez com que o foguete explodisse. Ou seja, mais um fracasso para SpaceX.

Em 2008, o Roadster começou a ser entregue, mas a Tesla estava passando por muitas dificuldades de produção e financeiras. A Tesla tinha menos de US$ 10 milhões em caixa, e tudo indicava que estava à beira da falência.

Mas 2008 ainda teria grandes acontecimentos! A terceira tentativa de decolar o Falcon 1 foi outro fracasso. A quantidade de tempo dedicado aos dois negócios impactou seu casamento. Assim, em setembro, Justine anunciou o divórcio.

O dilema…

A vida de Musk estava em ruínas. Só seria possível mais um lançamento para a Space XMusk, que  costumava colocar grana do próprio bolso em suas empresas, já tinha investido US$ 100 milhões na SpaceX e outros US$ 70 milhões na Tesla, os quais já tinham ido praticamente embora rodando suas operações. Assim, ele declarou estar enfrentando um grande dilema:

“Se eu dividisse o dinheiro, talvez os dois morressem. Se eu desse o dinheiro para apenas uma empresa, a probabilidade de sobreviver era maior, mas então significaria morte certa para a outra empresa.”

Musk vendeu os ativos que tinha, terrenos e propriedades e conseguiu levantar US$ 20 milhões de seu próprio dinheiro, e por conseguinte acabou dividindo entre as duas empresas.

O milagre…

Eis que em setembro, uma nova tentativa. E o lançamento foi um sucesso. Pela primeira vez a SpaceX tinha conseguido colocar um foguete em órbita. Mas isso não queria dizer que estava tudo certo. A SpaceX não tinha mais dinheiro para fazer nenhum outro lançamento. Se um milagre não acontecesse, a SpaceX tinha acabado. Além disso a Tesla também parecia que não ia sobreviver.

O milagre veio dois dias antes do Natal. Três meses depois do lançamento bem sucedido, a Nasa fechou com a SpaceX um contrato de US$ 1,6 bilhões para levar carga em órbita. Elon ficou tão feliz que mudou a senha do seu computador para “I Love Nasa”.

SpaceX não parou mais. Em 2012 a espaçonave Dragon foi o primeiro veículo comercial a entregar carga na Estação Espacial Internacional e voltar à Terra.

E em 2015, a SpaceX foi a primeira empresa a aterrissar e reutilizar o mesmo foguete. Já em 2018, junto da Tesla, enviou um carro para o espaço, tripulado com um boneco vestido de astronauta.

Com valor de mercado atualmente em US$ 100 bilhões, a SpaceX é a segunda companhia de capital fechado mais valiosa do mundo.

Já a Tesla, deixou de produzir o antigo Roadster, aquele comprado pelo Leonardo Diccaprio. Contudo, há uma variedade de modelos mais sexys, mais potentes, e mais acessíveis.

Enfim, o sucesso da SpaceX e da Tesla não restringiu o homem. Nesse meio tempo, Musk foi se tornando acionista de diversas outras iniciativas e até mesmo dando início a algumas que ele acreditava serem importantes para o mundo.

Novos negócios…

Em 2013, Elon Musk apresentou o Hyperloop, transporte de alta velocidade, que consiste em um tubo de baixa pressão com cápsulas transportadas a grande velocidade. Como resultado, a possibilidade de viajar a alta velocidade, cerca de 1 200 km/h.

O rei dos negócios também é vice-presidente da Open AI, uma instituição sem fins lucrativos de pesquisa em inteligência artificial (IA), que em síntese, tem como objetivo promover e desenvolver IA amigável, de forma a beneficiar a humanidade como um todo. Em suma, Musk acredita que a Inteligência Artificial é a maior ameaça para a sobrevivência da raça humana. Ao disponibilizar a AI a todos, a OpenAI quer contrariar grandes corporações que podem ganhar muito poder ao possuir sistemas de superinteligência dedicados aos lucros, bem como aos governos que podem usar a AI para ganhar poder e até oprimir seus cidadãos. Portanto, o plano de Musk  é neutralizar a concentração do poder.

Posteriormente, inconformado com o trânsito de Los Angeles, lançou em 2016 a The Boring Company, com o objetivo de criar um sistema de transporte debaixo da terra

Desse modo, Elon passou a ser uma marca tão poderosa quanto a de grandes empresas. O marketing pessoal é uma ferramenta que faz com que Musk opte por não gastar dinheiro algum com publicidade.

Ele com certeza não precisa.

Em 2019, a Tesla anunciou liberar todas as patentes de seus veículos gratuitamente na internet para os concorrentes que quiserem usar sua tecnologia em carros elétricos com o fim de combater o aquecimento global. Isso foi uma ação que sustentou a missão da Tesla de acelerar a transição para o uso de energia sustentável. Mas não foi só isso, a ação de Musk foi na verdade uma jogada de marketing.

Ora, vejam só. Quem diria?

Casamentos, filhos e fortuna…

Sobre sua vida amorosa, dois meses depois do divórcio com JustineMusk conheceu Tallulah Riley, uma atriz com quem chegou a se casar em 2010, e se divorciar em 2012. Seria apenas um relacionamento que não deu certo, se não fosse o fato de que em 2013 eles se casaram novamente, mas também se divorciaram novamente, dessa vez em 2016. O bilionário também namorou a cantora Grimes, com quem teve seu sexto filho. O intrigante foi a escolha do nome que o casal deu ao pequeno; Musk:  X Æ A-12.

Por fim, atualmente, Elon Musk é o homem mais rico do mundo, e seu patrimônio total é estimado em mais de US$ 288 bilhões. Não é à toa que ele tem levado do título de Tony Stark (Homem de Ferro) da vida real. Para o futuro, Musk pretende pendurar as suas botas de empreendedor e se aposentar em Marte – o Planeta Vermelho. Sim, é verdade. Em uma entrevista conduzida em março de 2018, ele disse:

“Eu vou se tiver a garantia que a SpaceX continuaria sem mim. Já disse que quero morrer em Marte, mas não durante o impacto”.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp