Prévia da inflação tem maior alta para julho desde 2004

Entre os nove grupos de produtos e serviços, sete tiveram alta nos preços. Eita!
Dedos segurando moeda de um real

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que funciona como uma prévia oficial da inflação no Brasil, ficou em 0,72% em julho. O dado, divulgado pelo IBGE nesta sexta-feira (23), é o maior avanço para um mês de julho desde 2004, quando houve variação de 0,93%. 

De acordo com o relatório oficial, o IPCA-15 soma uma variação positiva de 4,88% neste ano. Nos últimos 12 meses, a alta passa para 8,59%, acima dos 8,13% registrados nos 12 meses anteriores a esse período.

O resultado está acima das expectativas divulgadas por especialistas. Os analistas ouvidos pela Reuters, por exemplo, projetaram uma alta de 0,64% para o mês. No entanto, é menor do que o avanço registrado em junho, de 0,83%. 

O que ficou mais caro?

Entre os nove grupos de produtos e serviços analisados pelo IBGE, sete ficaram mais caros em julho. 

O setor de habitação liderou as altas. Segundo o relatório, o aumento nos preços da energia elétrica, como já mostramos aqui, do gás encanado e de botijão, em São Paulo, e da variação da taxa de água e esgoto, especialmente em Porto Alegre e Curitiba, fizeram com que “morar” ficasse mais caro no último mês.

Em seguida, com variação positiva de 1,07%, estão os transportes. Neste setor, o avanço dos preços das passagens aéreas em todo o Brasil e dos transportes públicos, principalmente em Porto Alegre, contribuíram para a alta. Além disso, os automóveis novos e usados também aumentaram e elevaram o indicador.

O “top 3” de maiores altas é encerrado com outro setor essencial: alimentação e bebidas. Nestes produtos, o aumento foi de 0,49%.

Na outra ponta da lista, houve queda de 0,24% no preço dos serviços de saúde e cuidados pessoais. Além disso, os produtos de comunicação também ficaram 0,04% mais baratos em julho, na comparação mensal.

Para complementar a sua leitura, aproveita e da uma olhada em nosso artigo bem completo sobre Deflação.

Inscreva-se na nossa newsletter!