Início » Economia » Presidente da Argentina diz que criptomoedas podem conter a inflação

Presidente da Argentina diz que criptomoedas podem conter a inflação

Falem bem ou falem mal, mas falem de cripto
Bitcoin-argentina
Reprodução/Topsaber

Se as criptomoedas pudessem cantar uma música, eu aposto que elas cantariam aquela “Falem bem ou falem mal, mas falem de mim”. 

Polêmicas, mas sempre faladas, assim são as criptomoedas. Além de ser assunto em portais, jornais, fóruns, mercado financeiro, as criptomoedas também são discutidas em espectros políticos, dessa vez foi na Argentina. 

Há algumas semanas tinha sido levantado um projeto para que empresas pagassem seus funcionários através de cripto ativos e dessa vez foi o presidente da Argentina, Alberto Fernandez, que disse que as criptomoedas poderiam ser uma boa maneira para ajudar a conter a inflação.

Aqui na The Compass, adoramos falar sobre esse assunto, porque goste ou não, elas estão em alta, desde startups investindo em cripto, Amazon entrando nesse segmento, até um garoto de 13 anos gerenciando milhões em cripto, o negócio está realmente em alta.

Argentina e Cripto

Para o presidente, Alberto Fernandéz,  a vantagem de se utilizar criptomoedas é que o efeito inflacionário seria nulo. 

Parando de falar grego…

Traduzindo para o português, se as criptomoedas fossem adotadas em maior escala, o efeito da inflação sobre a moeda seria literalmente zero, já que até então esse tipo de moeda não é regulamentado por nenhum órgão ou governo.

Essa falta de regulamentação é muito criticada por muitos governos, porque a facilidade para lavar dinheiro, cometer fraudes e até se aproveitar para financiar crimes é um grande fator de risco para uma implementação em massa dessas moedas.

Inflação na Argentina

Mesmo com todos esses riscos, a situação dos nossos compatriotas não tão queridos por nós é honestamente drástica. Enquanto nossa inflação bateu 9% nos últimos 12 meses, a deles bateu mais de 50%. 

O desespero está na porta, vamos ir acompanhando para ver qual será o desfecho…

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp