Preço dos alimentos deve desacelerar nos próximos anos, indica ONU

A redução da demanda chinesa foi apontada como uma das causas para esta trégua.
Tratores-em-movimento-em-campo-de-terra

Os preços das commodities agrícolas devem desacelerar ao longo dos próximos anos, conforme informações da Organização para Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês) da ONU e da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

De acordo com as entidades, o aumento da produtividade diante do avanço tecnológico e a desaceleração na demanda chinesa devem motivar esta trégua. 

Segundo um relatório divulgado pelas organizações, a demanda chinesa ainda será responsável por guiar os mercados agrícolas mundiais entre 2021 e 2030, principalmente em relação ao consumo de carnes e peixes.

No entanto, as entidades esperam que ocorra uma desaceleração desta demanda neste período, o que motivará a redução dos preços. 

"Os fundamentos não nos dizem que iremos para um superciclo dos preços das commodities"

Maximo Torero, economista-chefe da FAO.

A desaceleração deve ocorrer após um forte avanço nos preços dos alimentos, que se intensificou em 2020.

A disparada, impulsionada pela pandemia do novo coronavírus, foi causada também pelo aumento nas importações chinesas e pela diminuição dos estoques de commodities mundiais.

Por conta desses fatores, as entidades esperam que os custos para importadores atinjam recordes neste ano. 

Emissão de poluentes e fome zero

Por outro lado, o relatório prevê que as emissões causadas pela agricultura devem aumentar cerca de 4% nos próximos dez anos. A criação de animais deve ser responsável por 80% deste avanço da liberação de poluentes causadores do efeito estufa. 

Esta não foi, no entanto, a única notícia negativa apontada pelo relatório. Conforme as organizações, a meta da ONU de “fome zero” até 2030 ainda é um cenário distante.

Segundo o secretário-geral da OCDE, Mathias Cormann, é necessário concentrar os subsídios agrícolas em infraestrutura e inovação para garantir a distribuição e o acesso dos alimentos em determinadas regiões.

Inscreva-se na nossa newsletter!