Petrobras aplica novo reajuste nos combustíveis

Segundo a empresa, o reajuste é necessário
foto de logo da petrobras

Desde a crise do petróleo no mundo, até o corte do ICMS, que o brasileiro tem esquentado a cabeça com os combustíveis, e a Petrobras agora tá vindo colocar ainda mais pimenta.

A Petrobras quer mais dindin

Nesta sexta-feira (17), a Petrobras anunciou que a situação com o preço dos combustíveis iria ficar ainda mais difícil. A partir de sábado, a empresa afirmou que vai aplicar um reajuste de 5,7% no preço da gasolina e 14,26% no preço do diesel vendido em suas refinarias.

De acordo com a empresa, o preço médio da gasolina vendida para as distribuidoras passará de R$ 3,86 para R$ 4,06. Já o diesel, passa de R$ 4,91 para R$ 5,91. Esse é mais um na série de reajustes feitos pela Petrobras, sendo que o último aconteceu no dia 11 de maio.

Leia mais:

Bilionários brasileiros perdem US$ 14,9 bilhões em 2022

China impõe lockdowns e o Brasil paga a conta

Por que está aumentando?

Segundo a Petrobras, o reajuste duro acontecerá para que os preços aplicados aqui no Brasil estejam alinhados com a política de preços internacional, o que, para a empresa, evitará desabastecimentos na cadeia de produção e distribuição.

No entanto, mesmo com o aumento, a Petrobras ainda afirmou que entende a situação crítica em que o mundo, e sobretudo o país, se encontram, e que se mantém sensível ao momento.

Quais as reações?

Não era surpresa para ninguém que as reações seriam intensas. Com a notícia, o presidente Jair Bolsonaro chamou de extorsivo o lucro da empresa. E ao representar a União como acionista da petrolífera, informou que não compactuava com qualquer reajuste.

Já as ações da empresa, mesmo com o aumento dos preços, enfrentaram um grande golpe. Por volta das 15h, duas das classes de suas ações negociadas na B3 (PETR3 e PETR4), caiam respectivamente 9,82% e 9,32%.

Para os consumidores, a parcela da Petrobras no preço final da gasolina, em média, passará de R$ 2,81 para R$ 2,86. O que deve também pressionar, ainda mais, o cenário caótico vivido. E aí, vai desaposentar a bike? 

Inscreva-se na nossa newsletter!