Ministro entregou hoje pedido de estudo sobre privatização da Petrobras

Presidente do Senado disse que essa ideia está fora do radar no momento
foto de logo da petrobras

Na manhã de hoje o novo ministro de Minas e Energia entregou para o ministro Paulo Guedes um pedido de estudo sobre a privatização da Petrobras. 

Governo quer privatizar a Petrobras?

O novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, entregou nesta quinta-feira um pedido de estudo para privatização da Petrobras e da PPSA, que é a estatal que cuida do Pré-Sal

Ao receber o pedido, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que encaminhará ainda hoje essa solicitação ao PPI, Programa de Parcerias de Investimentos, que será o responsável por fazer essa análise. 

Então a Petrobras pode mesmo ser privatizada?

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, já adiantou que discutir sobre a desestatização da empresa está fora do radar no momento. Aliás, essa declaração importa, já que é o Congresso Nacional que dá o aval para a privatização. 

De acordo com Pacheco, o Congresso, composto por deputados e senadores, não tem interesse em debater essa questão por hora, embora tenha dito que apoia a realização do estudo.

Vale ressaltar que essa análise vai longe, já que primeiro virá o estudo e posteriormente o conselho do PPI vai votar se recomenda ou não a privatização da empresa. 

Em seguida, essa recomendação segue para a análise do presidente da República. Se o presidente achar que a privatização é uma boa ideia, ele assina um decreto que inclui a Petrobras no Programa Nacional de Desestatização. 

Então, após todos esses processos, iniciam-se os trâmites para a venda da empresa. 

Sem esquecer que no caso da Petrobras, o Congresso Nacional é o responsável por bater o martelo. 

Privatizar vai trazer concorrentes?

Diferente do que muitos pensam, a Petrobras não tem monopólio na exploração do petróleo no Brasil. Ou seja, qualquer empresa pode fazer isso. 

E por que não temos muita concorrência?

De acordo com analistas, faltam ‘corajosos’ para concorrerem com a estatal. Afinal, quem quer concorrer com uma empresa do Estado? Isso porque existe o constante medo que a qualquer momento o governo interfira nos negócios da companhia. 

Congelando preços, por exemplo. 

Neste caso, fica difícil para o empresário disputar a preferência dos consumidores, e como consequência, ele pode falir. Por isso a desestatização poderia aumentar a concorrência por aqui, já que não seria o Estado do outro lado da disputa.

Por outro lado, os opositores da ideia de privatização defendem que é arriscado entregar as riquezas de um país nas mãos de quem visa apenas o lucro, em vez da população.

Inscreva-se na nossa newsletter!