Inflação: entenda o que é e como ela afeta a sua vida

O que é Inflacão?

“Inflação subiu!” “Nossa, que caro! Culpa da inflação!”, “Tudo culpa da inflação”, “IPCA tá um absurdo!”

Familiar?

Isso sem contar o curioso clássico caso do Kinder Ovo quando custava 1 real. Adivinha? INFLAÇÃO!

Você provavelmente já viu por aí muitas pessoas reclamando da inflação ao perceberem que as coisas estão com preços mais altos. Geralmente, é tudo culpa da inflação. 

Ok, mas o que é realmente a inflação? E esse tal de IPCA?

Neste artigo, vamos aprender o que é a inflação, como ela impacta a nossa vida, o que isso tem a ver com o IPCA e mais.

O que é inflação?

Inflação é basicamente o aumento generalizado dos preços dos produtos e serviços no país. Seu valor é determinado a partir do índice oficial que o governo usa para a inflação, que é o IPCA.

Este índice, portanto, serve como referência para as metas da inflação e para alterações nas taxas de juros praticadas.

O que é o IPCA?

IPCA, o índice oficial da inflação, é sigla para Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo e ele basicamente estima o custo da “cesta de produtos e serviços” que reflete padrões e hábitos de consumo de famílias brasileiras com renda mensal de 1 a 40 salários mínimos.

Existem outros índices de preços no país, como é o caso do INPC – Índice Nacional de Preços ao Consumidor.

 

A diferença entre o INPC e o IPCA é que o INPC engloba apenas famílias com renda mensal de 1 a 5 salários mínimos.

No caso do IPCA, é mais “amplo” – como o próprio nome diz – incluindo famílias com renda mensal de até 40 salários mínimos.

O que compõe o IPCA?

Essa cesta de produtos e serviços que compõe o IPCA é definida pela Pesquisa de Orçamentos Familiares, POF, que é uma pesquisa do IBGE que verifica (em média) quanto do rendimento familiar é gasto em cada produto que a família consome e o qual o peso desse gasto em seu orçamento. 

Produtos como: arroz, feijão, passagem de ônibus, médico, material escolar, etc.

Vale dizer, também, que a POF é atualizada de tempos em tempos afim de refletir a realidade, já que os hábitos de consumo das pessoas também mudam de tempos em tempos.

Atualmente, a cesta a partir da qual o cálculo do índice é feito é composta por itens de:

  • alimentação e bebidas;
  • habitação e artigos de residência;
  • vestuário;
  • transporte;
  • saúde e cuidados pessoais;
  • despesas pessoais;
  • educação;
  • comunicação.

Tá, mas o que fazer com o preço dessas coisas?

Adm

A resposta é simples, você pega a variação no mês. Essa variação positiva é a inflação. Você vai ver já já aqui no artigo como o índice da inflação é calculado e tudo vai fazer mais sentido, respira.

Como é calculado o IPCA?

O IPCA é calculado a partir de dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que faz um levantamento mensal em 13 áreas urbanas do Brasil, com aproximadamente 430 mil preços em 30 mil locais espalhados pelo país.

Uma vez coletados estes preços, eles são comparados com os preços do mês anterior, resultando em uma variação geral de preços ao consumidor no período analisado.

Como a inflação afeta minha vida?

Já ouviu falar “isso aqui tem que bater a inflação”?

Então. É aquela conversa de poder de compra. Basta se lembrar do Kinder Ovo: há alguns anos, com R$ 2,00 eu comprava até mais de um. Hoje, com R$ 2,00  não chego nem perto de conseguir comprar sequer um Kinder Ovo.

Significa que aqueles R$ 2 perderam valor! Não possuem a mesma capacidade de compra que possuíam há algum tempo.

emoji nerd

Adm

Por isso, avisa a vó: nada de guardar dinheiro debaixo do colchão, em?

Por que isso acontece?

Justamente por causa da inflação. Com o aumento generalizado dos preços, uma compra hoje pode ter um preço muito menor do que o preço que ela custará daqui a um ano, por exemplo.

É por isso que dizemos que dinheiro parado perde o valor. Não significa que R$ 1 deixou de ser R$ 1, mas sim que aquele um real agora consegue comprar menos coisas do que aquele mesmo um real conseguia antes.

Por exemplo: se de um ano para o outro o IPCA é maior do que a variação do meu salário, significa que eu perdi poder de compra, já que os preços estão subindo mais do que a minha renda.

Pra que serve o IPCA?

O IPCA serve como referência para que o sistema de metas da inflação funcione, como comentamos acima. 

E é partir da definição dessas metas que o país cria estratégias para manter a inflação dentro de certa faixa que é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Em 2020, por exemplo, a meta da inflação era 4%, com uma tolerância de 1.5 ponto percentual acima ou abaixo do valor, ou seja, a faixa seria entre 2,5% e 5,5% – e ela foi cumprida, uma vez que o ano fechou com 4,52% (IBGE).

Qual a meta da inflação atual?

Para 2021, a meta da inflação é de 3,75%, com tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo: a faixa é entre 2,25% e 5,25%.

E qual o status?

O que está acontecendo, no entanto, é que o acumulado nos últimos 12 meses (dados coletados no início de setembro de 2021, no site oficial do IBGE) está em 8,99%.

Emoji Vergonha Whatsapp

Cidadão

Aaah, é por isso que parece que tá tudo com preço de aeroporto então, né?

Pois é: inflação subindo = juros tentando corrigir.

Quando os preços estão controlados, no entanto, o Banco Central tem mais liberdade para reduzir os juros (ou seja, a taxa Selic) e assim estimular o crédito para aquecer a economia.

Se a meta não for cumprida para que o ano se encerre dentro da faixa prevista, o presidente do Banco Central deve dar satisfações ao Ministro da Fazenda, indicando quais ações serão tomadas para que a inflação volte para a faixa de tolerância, o tempo para isso e demais detalhes.

O que causa a inflação?

Dentre muitos fatores que causam o aumento dos preços, de maneira geral, ele ocorre devido à lei da oferta e da demanda. Se a demanda é maior do que a oferta, o preço tende a subir.

Muitas crises na história já ocorreram diante de um boom de demandas com poucas ofertas, causando escassez e, consequente, “valorização  de produtos e serviços.

  • Pensa comigo: se você está em um deserto com 5 pessoas (demanda) e tem um cesto com 1.000 garrafas (oferta) cheias de água. Ninguém vai dar muito valor para uma única garrafa. Agora, imagina se tem somente 4 garrafas (menor oferta que a demanda de 5 pessoas). O valor da unidade aumenta bastante, sacou?

Da mesma forma, também houve problemas com boom de ofertas com pouca demanda, gerando prejuízos e causando problemas em toda um ciclo de trabalho e geração de renda. Fenômenos assim causam, também, a deflação – que é a queda generalizada dos preços.

Quem acompanha o Relatório Focus aqui com a gente vai se lembrar de que as projeções para o IPCA feitas pelo Banco Central estão aumentando há mais de 20 semanas seguidas – beeem acima da meta. Vamos ver o que rola até dezembro, né?

Como conter a inflação?

Para controlar a inflação, a ferramenta usada pelo Banco Central é a taxa de juros: famosa Taxa Selic

A Selic é a taxa básica de juros da economia brasileira e quando os preços começam a subir de maneira a se distanciarem da meta, ela entra em ação.

Taxas mais altas de juros tendem a tornar o crédito mais caro, desaquecendo a economia – ou seja, diminuindo o consumo, abaixando a demanda e, consequentemente, os preços.

Outro fator que causa a inflação também é o aumento de gastos públicos, colocando mais dinheiro em circulação na economia.

Movimentações no câmbio devido a algum problema externo ao país também podem provocar ajuste de preços por meio da inflação, já que muitos produtos consumidos aqui são importados.

Como proteger seus investimentos da inflação?

Existem muitas estratégias para que o rendimento da sua carteira seja, no mínimo, igual à inflação.

A melhor opção vai depender dos seus objetivos. Portanto, opções que cumprem esse mínimo podem ser investimentos atrelados à inflação direta ou indiretamente – mas quem deve escolher é você.

Alguns exemplos – ALTO RISCO – na renda variável são:

  • o mercado de imóveis, já que os valores costumam ser reajustados a cada ano por índices de inflação
  • investimentos em ações de empresas que possuam produtos ou serviços reajustados segundo índices de preços – os melhores exemplos são empresas que prestam serviços essenciais e regulados como distribuidoras de energia elétrica.

Vale lembrar que aqui não há garantias, já que muitos fatores contribuem para o reflexo do desempenho da empresa no seu bolso.

Quando pensamos em renda fixa, existem muitos títulos diretamente atrelados ao IPCA e que oferecem taxas de juros e pagam a variação de um indicado: títulos do Tesouro direto como Tesouro IPCA+, por exemplo. CDBs e debêntures também podem ter sua remuneração atrelada à inflação.

Curiosidades sobre o IPCA

  • Desde sempre (no caso, desde 1980), o IBGE produz e divulga o IPCA. Entre os anos 1980 e 1994 – ano de implantação do Plano Real no Brasil – o índice acumulado foi de 13.342.346.717.671,70%

(superou os treze trilhões. Quem mandar um áudio pronunciando este número pro Adm merece um troféu);

  • O maior aumento mensal do IPCA foi em março de 1990, de  82,39%. A a menor variação, por sua vez, ocorreu em agosto de 1998 com -0,51%.

Por último: você sabia que o IBGE, órgão oficial que publica o valor do IPCA, tem um canal do YouTube para ajudar a tornar mais clara a compreensão das informações que ele divulga? 

  • Tá esperando o quê pra dar aquela fuçada e aprender mais (assumindo que você já manja do canal da Jovens, é claro)?

Adm

Agora é só maratonar os canais e bailar na educação financeira! Informação de qualidade é o que não falta e agora só depende de você. Mãos à obra!

 

E você que chegou até aqui, toma de bônus três artigos que você não pode perder: 

Inscreva-se na nossa newsletter!