Inflação dá uma pisada no freio

Veja como ficou a variação dos preços
Imagem de nota do real que sofre com a inflação

Nem só de notícias ruins vive a economia brasileira, e dessa vez o Pedrinho vai acordar mais cedo para comemorar a redução na inflação. Será que vale a pena?

Inflação querida, como estás?

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgou nesta quinta-feira o resultado da inflação para o mês de maio. Segundo o levantamento, a alta dos preços reduziu de 1,06% em abril para 0,47%. É para louvar de pé!

Contudo, a variação continua sendo positiva mesmo quando comparada com o mesmo mês do ano anterior, quando a inflação foi de 0,83%. Além disso, o resultado desse mês de maio representa a menor variação mensal desde abril do ano passado.

Leia mais:

Estados se recusam a zerar ICMS

Acaba prazo para reservar ações da Eletrobras

Ouço falar da inflação, mas não entendo. Explica…

Claro! O IPCA, ou Índice de Preços ao Consumidor Amplo, é o nome completo da famosa inflação oficial. Na prática, esse índice mede a variação dos preços de determinados produtos e serviços em um determinado período, e em determinadas regiões do país.

No entanto, como é o caso do IPCA, o resultado medido não pode ser aplicado igualmente para todos os produtos e serviços da lista. Na verdade, ele representa uma média dos preços encontrados, portanto serve como um parâmetro mais geral para a economia.

O que subiu? O que desceu?

Desde janeiro a inflação já acumula uma alta de 4,78%. Já o acumulado dos últimos 12 meses ficou em 11,73%. Infelizmente, dos grupos de bens e serviços levantados, o único que teve queda foi o da habitação, caindo 1,7% no último mês.

Apesar do resultado melhor do que o esperado, todos os demais grupos aumentaram de preço. Nesse sentido, o destaque fica para o grupo com a maior alta dentre eles, o setor de vestuário, onde o aumento constatado no levantamento do IBGE foi de 2,11%.

Das variações maiores que 1%, temos o grupo dos transportes, com alta de 1,34%, e que sofre com a crise dos combustíveis, impactando inclusive no preço de passagens. Além desse, o setor de saúde e cuidados pessoais também ficou mais caro. A alta foi de 1,01%.

Dá para o Pedrinho acordar comemorando, ou é melhor ele voltar a dormir?

Inscreva-se na nossa newsletter!