Gasolina tem defasagem de quase 20%

Correção do preço poderia custar cerca de R$ 1 a mais no litro
foto de petroleira que vende gasolina

‘Bora’ todo mundo virar fitness? Em relatório, Abicom declara ter calculado que a defasagem no preço da gasolina vendida no Brasil está em quase 20%. 

“Já não tava muito bom, tava meio ruim também, agora parece que piorou”. 

Quem ‘satanás’ é essa Abicom e por que só traz notícia ruim?

A Abicom é uma associação que reúne pequenos e médios importadores de combustíveis. De acordo com os cálculos feitos pela associação, a gasolina vendida aqui no ‘BR’ está com uma defasagem de quase 20%. 

Ou seja, existe uma diferença de cerca de 20% no preço da gasolina aqui no Brasil e da gasolina vendida na gringa. 

Ainda segundo a Abicom, se a Petrobras quiser corrigir essa diferença, o valor do litro subiria entre R$ 0,88 centavos e R$ 1,03. 

Rasga, papai. 

Qual o problema da defasagem?

De acordo com economistas, essa diferença pode fazer com que a empresa estatal perca investidores, que se sentem lesados pela falta do reajuste, e portanto, recebem dividendos menores do que poderiam receber caso investissem em petroleiras de outros países. 

Esses investimentos são importantes para manter a capacidade de exploração da Petrobras, já que essa é uma atividade cara. 

Aliás, acrescentam os economistas, é por essa razão que a Venezuela, embora tenha uma das maiores reservas de petróleo do mundo, não consegue sair da ‘pindaíba’, porque falta dinheiro de investidores para a produção do produto. 

A gasolina vai aumentar ou não?

No momento não há resposta para essa pergunta. Afinal, a Petrobras tem sofrido pressão por parte de investidores para que haja o reajuste, e por parte do governo em razão dos últimos aumentos. 

Além disso, 2022 é ano de eleição, e já que o ‘quengaral’ vai queimar este ano, fica difícil prever os rumos da empresa. Alguma aposta?

Inscreva-se na nossa newsletter!