Copom eleva a Taxa Selic e o tom ao mesmo tempo

Aumentando a taxa ao maior patamar em 5 anos, o Copom jogou um balde de água gelada no mercado
Prédio do Banco Central em Brasília, simbolizando Taxa Selic

Com o novo aumento na Taxa Selic, a bolsa chora, a renda fixa sorri, e os investidores vão à loucura. E ainda vem mais aperto à frente.

Anunciamos que…

Como o mercado previa, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), na noite de ontem (03), aumentou a Taxa Selic em 50 pontos base. Portanto, com a elevação, a taxa básica de juros do país sobe de 13,25% para 13,75%.

No entanto, mesmo com as previsões conseguindo cravar a alta, foi outra parte do anúncio do Copom que surpreendeu. De acordo com o tom do órgão, quem pensou que o ciclo de altas tinha acabado, encarou o meme “errou feio, errou rude”.

Leia mais:

As ameças da China aos EUA e Taiwan deram no quê?

Uber dispara na bolsa após ficar no verde pela primeira vez

Taxa Selic: o terror da inflação

Antes de tudo, faz sentido trazer um resumão de como funciona a Selic, e o motivo do mercado ficar tão agitado com ela. Para isso, precisamos dar atenção à inflação, afinal de contas, é esta o motor que move a taxa.

Como o Banco Central (BC) é o órgão que define a estratégia da moeda brasileira, ele o responsável por manipular o cenário da inflação. Nesse sentido, a arma que o BC saca para tentar conter a alta nos preços é a Taxa Selic.

Por exemplo, ao elevar a taxa, como no caso de ontem, o órgão encarece os empréstimos e financiamentos no país. Desta forma, ao aumentar o custo do dinheiro, o BC força com que o consumo reduza, desacelerando então a inflação.

Mas por que o mercado errou?

Sendo esta a 12ª alta seguida na Selic, colocando a taxa no maior nível em cinco anos, o mercado pensava que o pior tinha passado. Contudo, como afirmou o BC, os cenários global e local estão muito loucos para supor que os preços cairão em breve, interrompendo o ciclo de altas.

Além disso, o órgão colocou as medidas que reduziram impostos no país como riscos à inflação no longo prazo. Ou seja, diante do tom do BC, é bem provável que na próxima reunião do Copom, em setembro, uma Selic ainda mais alta dê as caras.

Inscreva-se na nossa newsletter!