Conta de luz mais cara pode aumentar a inflação

Reajuste anunciado ontem pela Aneel mexeu com as projeções do mercado, galera.
Gráfico de linhas em monitor

Lembram do Conselho Monetário Nacional – cuja sigla é CMN?

A taxa da meta para o IPCA (índice que norteia a inflação, basicamente) definida pelo CMN estava em 5,25%. No entanto, com a conta de luz mais cara, o mercado já projeta algo em torno de 6,7% no ano.

Adm Explica

O CMN, sigla para Conselho Monetário Nacional, é formado por 3 pessoas: ministro da economia, presidente do Banco Central e secretário especial da fazenda. 

A função do CMN é formular as políticas monetárias (sobre dinheiro) e de crédito brasileiras com o objetivo de promover o progresso econômico e social do país. 

Vale lembrar, também, que a sigla IPCA significa Índice de Preços ao Consumidor Amplo.

Algumas projeções para a inflação no ano, uma vez publicado o reajuste da bandeira tarifária vermelha 2 ontem pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), foram revisadas e as estimativas passaram a estar entre 6% e 6,7%. 

Isso representa uma grande alta, já que o teto da meta definido pelo CMN estava em 5,25%. 

Sobre o aumento da bandeira tarifária, analistas projetavam cerca de 20%. O que aconteceu, no entanto, foi que a Aneel autorizou um aumento de mais de 50%. Isso causa um impacto já na projeção de julho para o IPCA, que passou de 0,49% para 0,62%). Há ainda a possibilidade de impactos indiretos com esse reajuste. 

"Pode ter um efeito também nos preços de serviços, especialmente se a antecipação do calendário de vacinação aumentar a circulação das pessoas”

afirma economista da LCA.

Segundo informações, esse reajuste será utilizado para bancar custos com a maior utilização das usinas termelétricas devido à grande baixa dos reservatórios de água e do risco ocorrer novamente um episódio de desabastecimento de energia no Brasil.

Mês passado, o preço da energia já influenciava o resultado do IPCA:  

para uma inflação geral de 0,83% – o maior índice para o mês desde 1996 - somente o setor de energia contribuiu com 0,23 ponto porcentual.

Agora, a taxa extra cobrada na conta passou de R$ 6,24 para R$ 9,49 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos.

Inscreva-se na nossa newsletter!