Citi faz previsão curiosa sobre preço do petróleo

Para o grupo, caso uma recessão global ocorra, os combustíveis poderiam ser beneficiados
Imagem de barris, simbolizando preço do petróleo

Sim, você não leu errado! A multinacional financeira decidiu colocar um pouquinho de açúcar no café amargo que poderá ser uma recessão global, criando expectativas positivas sobre o preço do petróleo.

Descontão no preço do petróleo

Nesta terça-feira (05), uma previsão do Citi surgiu para dar esperança no caso cada vez mais provável de uma crise econômica de extensão global. Segundo a expectativa do grupo, se o pior acontecer, a queda no preço do petróleo seria uma das consequências.

A projeção do Citi dá conta de dizer que o item, hoje variando no patamar dos US$ 110, poderia terminar este ano em cerca de US$ 65, caso a recessão aconteça. Além disso, para o banco, o preço poderia cair ainda mais em 2023, chegando aos US$ 45.

Leia mais:

Banco Central britânico acionou o alerta de tempestade

Nova ministra da Argentina traz pimenta à crise

De onde o Citi tirou isso?

Antes da pandemia, ao final de 2019, o preço do barril fechou nos US$ 65. Contudo, assim que o mundo foi mergulhado em incertezas e isolamento, o preço do barril de petróleo caiu consideravelmente, chegando a ser comercializado por US$ 22  em março de 2020.

É justamente em cima deste fenômeno que o Citi faz suas previsões. De acordo com o grupo, caso a demanda pelo item caia com o esfriamento da economia em virtude de uma recessão, o preço do barril teria que, obrigatoriamente, perder força.

Por exemplo, hoje (05), com as notícias de desaceleração econômica na zona do euro, aumentando o temor recessivo, o preço do petróleo já tem experimentado a mágica do Citi. Por volta das 15h30, o barril enfrentava uma forte queda de 10,1%, cotado a US$ 101,13.

O que será do futuro?

No entanto, as previsões do Citi ficam restritas ao cenário em que as demais variáveis, como a situação da Rússia, não mudem. Nesse sentido, caso reviravoltas aconteçam, as respostas na bola de cristal podem não ficar tão boas sobre o preço do petróleo. 

Ontem (04), a JP Morgan, fez, inclusive, uma previsão inversa ao Citi. De acordo com a análise, caso o G7,  grupo das 7 maiores economias do mundo, decidisse limitar o preço do petróleo russo, como planejam, o barril poderia explodir a US$ 380. Quem entende…

Inscreva-se na nossa newsletter!