China intervém no setor de educação privada

Bolsa despenca com essa ação do Governo
Hang-Sengqueda-BolsaAFP

Se você acha que o Brasil é hardcore, tem que dar uma olhada no que está acontecendo na China.

Neste final de semana foi publicada uma norma que obriga escolas privadas a se tornarem organizações sem fins lucrativos e que todas estão proibidas de abrir capital. 

Para os reguladores chineses, essa será uma forma de reformar um setor que, segundo eles, foi “sequestrado pelo capital”.

Com essa atitude do Governo as ações de empresas de ensino chegaram a cair 47% na bolsa de Hong Kong. Afinal, quem quer ter ações de uma empresa que vai ser obrigada a se tornar “sem fins lucrativos”?! 

Por que dessa ação do governo chinês?

Essa ação foi justificada como uma forma da educação de fazer a educação ter um custo menor, já que as instituições privadas precisam ser sem fins lucrativos.

Além disso, foi apontada como uma maneira de diminuir a pressão financeira nas famílias chinesas e também estimular a taxa de natalidade, já que seria um custo a menos para essas famílias.   

A iniciativa foi chamada por especialistas como “banho de sangue do setor”, visto que quase inviabiliza toda a movimentação privada nesse setor. 

Além disso, o governo chinês quer meter o nariz em outros dois outros setores muito promissores: tecnologia e mercado imobiliário.

No setor de tecnologia, o governo já deu suas cartadas para exercer influência sob a gigantesca Ant Group, de Jack Ma, fundador do Alibaba. 

No setor imobiliário, foi feito uma campanha para diminuir a alavancagem, causando queda também nos índices de empresas imobiliárias.

Também sobre a China: China surpreende e tem alta de mais de 32% nas exportações em junho.

Inscreva-se na nossa newsletter!