Caminhoneiros criticam alta do diesel e ameaçam greve nacional

Associação diz ser contra a privatização da Petrobras
foto de caminhoneiros

Já vestiram a fantasia de vocês? Então veste aí porque a sexta-feira 13 ainda não terminou. Caminhoneiros criticam alta no preço do diesel e ameaçam paralisação nacional. 

E o ‘quengaral’ só queimando. 

Caminhoneiros vão parar de novo?

Ainda não. Mas, de acordo com a Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores, Abrava, isso pode acontecer. 

Inclusive uma reunião com representantes da classe dos caminhoneiros foi agendada para domingo, 15/05. Neste encontro, será discutida uma possível greve a nível nacional.

Isso porque os caminhoneiros estão inconformados com o último aumento de 8,87% no preço do diesel, anunciado pela Petrobras na segunda-feira, dia 09/05. 

Aliás, a notícia de que o governo federal fará estudos para uma possível privatização da estatal colocou ainda mais gasolina no fogo, já que representantes da Abrava são contrários à venda. 

Ainda, nas palavras dos líderes da associação, “o Brasil precisa de uma estratégia de curto prazo para frear essa voracidade da Petrobras em saquear o bolso dos brasileiros, e não vender a empresa”. 

Qual seria essa estratégia?

A Abrava não disse qual seria. Contudo, o presidente da associação, Wallace Ladim, já declarou ser contra a política de paridade de preços. 

Isso porque o Brasil adota o PPI, preço de paridade de importação, uma referência que calcula o preço dos combustíveis com base no valor pago para adquirir o produto no exterior. 

Ou seja, nosso país calcula todos os custos para comprar o combustível na gringa, e repassa para o consumidor. 

O grande ‘X’ da questão é que o Brasil paga os vendedores gringos com ‘doletas’, e como os senhores já sabem, nosso Real está bem desvalorizado frente ao dólar. 

Isso quer dizer que o repasse para o consumidor pesa mais, já que o dinheiro americano está custando pouco mais de 5 vezes o nosso dinheiro. 

E se o Brasil parar de usar a política do PPI?

De acordo com analistas e economistas brasileiros, se o Brasil parar de usar a política do PPI de uma hora para outra, a Petrobras pode ter prejuízos. 

Afinal, nosso país não consegue refinar petróleo suficiente para atender a todos os brasileiros. Por isso precisa comprar. Então, comprar por um valor acima do valor de venda gera perdas.

E como a Petrobras é uma empresa do governo, adivinha quem arca com os prejuízos? Mais cedo ou mais tarde, o boleto sempre chega na mão dos brasileirinhos. 

Inscreva-se na nossa newsletter!