Brasileiros esperam até 4h para abastecer mais barato na Argentina

Para o abastecimento é preciso seguir algumas regras
fila para abastecer na Argentina

“Quando eu passo de Hilux as ‘novinha’ gosta…”. Não são só as novinhas que gostam de gasolina. Na Argentina, os brasileiros esperam até 4 h em filas para abastecer mais barato. 

“Gosta de gasolina (Dame más gasolina)…”

Que história é essa, rapaz?

É isso, baby. Os brasileiros estão ultrapassando a fronteira com a Argentina em Foz do Iguaçu (PR), para Puerto Iguazú, tentando encher o tanque de gasolina por um precinho hermano. 

Isso porque, para abastecer aqui no BR, os paranaenses daquele local pagam cerca de R$7,40, enquanto que no país do Messi, o preço cai para R$6,65. 

Contudo, o brasileiro pode ter que esperar até 4h de fila. Além disso, só é possível abastecer 40 litros por tanque e ainda deve ir em horários específicos. Também é necessário estar em uma fila própria para brasileiros. 

Por fim, após tudo isso, com o tanque cheio, os humilhados são exaltados. 

Por que a gasolina na Argentina está mais barata que aqui?

Só dois motivos, ok, querubim?

1º – moeda desvalorizada. O Real vale muito mais que o Peso Argentino. Assim, o brasileiro consegue pagar mais barato para ter mais gasolina em razão da sua moeda que está melhor na foto que o dinheiro argentino. 

Chora, Maradona. 

2º – interferências estatais. O governo da Argentina costuma colocar a mãozinha nos preços dos combustíveis por lá. Então, os valores para o abastecimento acabam saindo mais em conta para o consumidor final. 

Ué! Então interferência é uma coisa boa?

No curto prazo! Mas o B.O. vem de jatinho. 

Também só darei dois motivos para vocês não chamarem o ADM de prolixo.

1º- Inflação. Quando um produto muito útil fica mais barato, o consumo aumenta. E se a produção desse produtinho não cresce junto, o preço sobe, um efeito da infame inflação.

2º- O investidor ‘pica a mula’. Ou seja, desiste de investir naquela empresa. Com isso, ela deixa de arrecadar dinheiro para continuar produzindo e passa a produzir cada vez menos, e aí, olha a inflação de novo. 

Por exemplo, pense na Venezuela. A ‘Vene’ tem umas das maiores reservas de petróleo do mundo. Mas produz cada vez menos porque não tem investimentos para a extração.  

E a inflação por lá está comendo a população com farinha. Sentiu o drama?

Inscreva-se na nossa newsletter!