Início » Economia » Bolsonaro aprova com vetos a lei para a privatização da Eletrobras

Bolsonaro aprova com vetos a lei para a privatização da Eletrobras

Lembram dessa novela? Seguiu adiante e afinal ocorreu a sanção presidencial - com 14 vetos a artigos
Presidente Jair Bolsonaro sorridente enquanto entrega apostila a outra pessoa
Foto: Alan Santos / PR / Divulgação CP

O projeto de lei, antes medida provisória, em prol da privatização da Eletrobras, foi sancionado pelo Presidente nesta terça-feira (13).

Depois de passar pelo Senado e pela Câmara num vai e vem de alterações até ser aprovado, o texto, que após aprovado tornou-se projeto de lei para então ir para a sanção presidencial, passou agora por 14 vetos a artigos presentes. Mas vamos com calma:

O que é Sanção Presidencial? O que significa ser “sancionado”?

Segundo o Senado, é a concordância e a “anuência” do presidente da República com projeto de lei. Ainda tá abstrato, né?

Anuência quer dizer concordância, basicamente. Então sanção presidencial significa que agora, no caso, o presidente consentiu e concordou com isso, aprovando a medida por vias formais.

Assim, essa lei aprovada pelo presidente Jair Bolsonaro viabiliza a privatização da Eletrobras (ELET3, ELET6) e prevê a contratação de térmicas a gás natural e outras fontes de energia.

Essa lei indica que a privatização ocorrerá por aumento de capital social, sem agora a possibilidade do direito de subscrição de ações pelo governo (basicamente comprar mais ações em certas condições já sendo acionista). Assim, a quantia atual da União de 61% da empresa será diluída.

Dentre os vetos feitos pelo presidente aos artigos do texto, um deles se referia ao aproveitamento de empregados da Eletrobras e subsidiárias demitidos sem justa causa nos 12 meses seguintes à privatização.

Outro artigo vetado foi o que definia que a diretoria da ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) deveria ser aprovada pelo Senado Federal.

Estima-se, pelo ministério, que a operação seja finalizada até o começo do ano que vem. As premissas fundamentais quanto ao modelo da privatização deverão ser definidas pelo CNPE (Conselho Nacional de Política Energética).

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp