Início » Economia » Boletim Focus: Projeção para a inflação subindo pela 26ª semana seguida

Boletim Focus: Projeção para a inflação subindo pela 26ª semana seguida

Mais uma vez, juros, PIB e câmbio mantêm estabilidade
inflacao mercado
Vlad Frolov/Unsplash

Mais uma semana começando com as estimativas do Banco Central para os principais indicadores da nossa economia, o Boletim Focus!

O que é Boletim Focus?

 

Trata-se de um relatório semanal feito pelo Banco Central que é publicado toda segunda-feira. 

São trazidas projeções estatísticas sobre diversos indicadores importantes da economia brasileira que serve como um referencial para entender quais devem ser os passos da nossa política monetária.

Vamos falar de inflação (IPCA), PIB, juros (Selic) e taxa de câmbio (dólar).

  • Vamos aos números?

IPCA (inflação)

A projeção para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), principal índice para nossa inflação, subiu pela 26ª semana seguida e atingiu o valor de 8,51% para 2021.

Novamente, passou longe da meta do Banco Central. 

Qual a meta do Banco Central?

O CMN (Conselho Monetário Nacional, que é a maior autoridade financeira do Brasil) definiu que o IPCA deveria ficar em 3,75% em 2021, com tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo (ou seja, no mínimo 2,25% e no máximo 5,25%).

PIB (Produto Interno Bruto)

A expectativa para o PIB se manteve em 5,04% pela terceira semana seguida.

O que é PIB?

Trata-se de um indicador que considera basicamente a soma dos bens e serviços produzidos no país para avaliar o quanto a economia deve crescer. A sigla PIB significa Produto Interno Bruto.

Taxa de câmbio (dólar)

A projeção para a taxa de câmbio, que é o valor do dólar em relação ao real, também se manteve igual à semana passada: R$5,20 em 2021.

Juros (Taxa Selic)

Após o último aumento da Taxa Selic na semana retrasada com a reunião do Copom, a expectativa do Banco Central se manteve constante em 8,25% novamente.

O que é Taxa Selic?

A Taxa Selic interfere diretamente no seu dia a dia. Isso porque ela serve como referência para todas as outras taxas de juros praticadas no país, seja de empréstimos ou de financiamentos.

Este indicador é utilizado para controlar a inflação. Na prática, quando os juros caem, os empréstimos e financiamentos ficam mais baratos.

Como consequência, há um aumento do acesso ao crédito, o que estimula as pessoas a comprarem mais.

Com mais gente consumindo, a demanda aumenta, o que gera um cenário de aumento dos preços. Popularmente, isso é o que chamamos de inflação.

Já no cenário oposto, com juros altos, o acesso ao crédito diminui. Assim, o país tem menos dinheiro em circulação e o consumo é reduzido, o que controla a inflação.

  • Apesar das estimativas do Banco Central, os dados oficiais sobre a performance da economia brasileira e seus indicadores serão divulgados somente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Tudo "estável", mas a expectativa para a inflação não para de subir... Nada surpreendedor, não?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp