Boletim Focus: Expectativa para inflação sobe pela 25ª semana e chega a 8,45%

Juros, PIB e câmbio permanecem estáveis desde a última semana
IPCA: inflação acelera 1,25% em outubro e já atinge 10,67% em 12 meses

Hora do Boletim Focus! 

O que é Boletim Focus?

 

O “Boletim Focus” ou “Relatório Focus” é um relatório semanal feito pelo Banco Central que é publicado toda segunda-feira.

Ele traz projeções estatísticas sobre diversos indicadores importantes da economia brasileira e serve como um referencial para entender quais devem ser os passos da nossa política monetária.

Vamos falar de inflação (IPCA), PIB, juros (Selic) e taxa de câmbio (dólar).

Vamos aos números?

IPCA

A estimativa subiu mais uma vez para a inflação. Isso porque o relatório indicou que a projeção para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) subiu pela 25ª semana seguida – e este é o indicador oficial da inflação brasileira.

Enquanto na semana passada a previsão era de 8,25%, nesta semana ela subiu para 8,45% em 2021.

  • Qual a meta do Banco Central?

O CMN (Conselho Monetário Nacional, que é a maior autoridade financeira do Brasil) definiu que o IPCA deveria ficar em 3,75% em 2021, com tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo (ou seja, no mínimo 2,25% e no máximo 5,25%).

PIB

A expectativa se manteve em 5,04%, segunda semana sem alterações nas expectativas.

O que é PIB?

Trata-se de um indicador que considera basicamente a soma dos bens e serviços do país para avaliar o quanto a economia deve crescer.

Taxa de câmbio (dólar)

A projeção para a taxa de câmbio, que é o valor do dólar em relação ao real, também se manteve igual à semana passada: R$ 5,20 em 2021. 

Adm indica

Juros (Taxa Selic)

Dessa vez, após o aumento da Selic na semana passada com a reunião do Copom, a expectativa do Banco Central se manteve constante em 8,25% desde o último boletim.

O que é Taxa Selic?

A Taxa Selic interfere diretamente no seu dia a dia. Isso porque ela serve como referência para todas as outras taxas de juros praticadas no país, seja de empréstimos ou de financiamentos, por exemplo.

Este indicador é utilizado para controlar a inflação.

Na prática, quando os juros caem, os empréstimos e financiamentos ficam mais baratos. Como consequência, há um aumento do acesso ao crédito, o que estimula as pessoas a comprarem mais.

Com mais gente consumindo, a demanda aumentalembra da lei da oferta e da demanda? Olha ela aí! – o que gera um cenário de aumento dos preços. Popularmente, isso é o que chamamos de inflação.

Já no cenário oposto, o acesso ao crédito diminui em meio aos juros altos. Assim, o país tem menos dinheiro em circulação e o consumo é reduzido, o que controla a inflação.

Apesar das estimativas do Banco Central, os dados oficiais sobre a performance da economia brasileira e seus indicadores serão divulgados somente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Inscreva-se na nossa newsletter!