Banco Central estuda lançar real digital para diminuir o uso de cédulas

Era criptomoeda que vocês queriam? Toma, tá aí! O BC já revelou até alguns detalhes do real digital
Banco Central estuda lançar real digital para diminuir o uso de cédulas

Cadê os fãs das moedas digitais? Notícia boa pra vocês! O Banco Central (BC) voltou a falar sobre a possibilidade de criar um real digital. Dessa vez, a ideia é reduzir o uso de dinheiro em papel para começar um processo de digitalização.

Ontem (16), o economista Fábio Araújo, responsável pelo real digital dentro do BC, disse que a moeda deverá funcionar como um “coin nativo” que faz parte de um grande ecossistema de informações e tecnologia financeira.

Essa nova etapa, segundo ele, foi inaugurada com o Pix e vai evoluir ainda mais com o Open Banking, que já explicamos aqui.

Ou seja, vamos deixar de lado os termos complicados… Na prática, é como como se estivesse rolando uma revolução tecnológica no Brasil e nosso bom e velho real – parte dele, pelo menos – começasse a se transformar em uma criptomoeda, como um Ether ou uma Bitcoin.

Essa tendência está ocorrendo em diversos países ao redor do mundo, como Estados Unidos, China, Coreia do Sul, Japão e Suécia. Todas essas nacionalidades já estão trabalhando em versões virtuais de suas moedas.

O que vai mudar com a versão digital do real?

A ideia do Banco Central não é acabar de vez com o dinheiro em papel que estamos acostumados. Porém, o uso parcial da versão digital pode trazer algumas mudanças para o sistema financeiro do Brasil.

Afinal, esse token permitirá que o país possa avançar de forma bastante significativa no uso de tecnologia no sistema financeiro.

 Além de servir como o real que conhecemos no mundo digital, essa versão dá mais flexibilidade para o sistema, abrindo portas para seu uso em diversas aplicações financeiras.

O futuro já está aí, só não vê quem não quer!

Inscreva-se na nossa newsletter!