Banco Central diminui reserva de dólares e aumenta a de yuan

Moeda chinesa ganha relevância em razão da guerra na Ucrânia
foto do dólar e do yuan

Você aposta em qual moeda? Na Americana ou na chinesa? O Banco Central está apostando na segunda e já aumentou sua reserva de yuan e reduziu a de dólares. 

A China curtiu esse post.

Como é que é a história? 

Pois é, o porquinho destinado as moedas gringas está ganhando mais moedinhas chinesas do que americanas. 

O Banco Central aumentou a quantidade de yuan, moeda da China, em suas reservas internacionais para 4,99% em 2021, traduzindo, agora temos cerca de US$ 13,766 bilhões a mais desse ativo do que tínhamos em 2019. 

Em contrapartida, com relação ao dólar, temos cerca de US$ 15,276 bi a menos do que tínhamos em 2020. 

Por que essa preferência do BC agora? 

O banco brasileiro não quis dar muitas satisfações, mas soltou que um dos principais motivos é a inflação lá nos EUA.

Isso porque o país de Biden sofre com uma alta de preços que não via há 40 anos, o que faz com que o dólar perca seu poder de compra. 

Por outro lado, o yuan, de acordo com alguns economistas, tende a conquistar mais espaço nas reservas internacionais de outros países. 

A razão é o conflito na Ucrânia que provocou castigos financeiros para o seu invasor, a Rússia. 

Então, com o país de Putin mais isolado nos negócios, a China ganha maior destaque. 

Além disso, a moeda chinesa tem se valorizado desde o ano passado em razão das exportações da China, que apesar da pandemia, mantiveram a pose. 

Por que o dólar está ficando sem moral? 

Primeiramente, a inflação. A danada aumentou o preço dos produtos em um nível que os nascidos nos anos 90 e 2000 nunca tinham visto antes. 

Ademais, tem o aumento na procura de criptomoedas como reserva de valor. 

Será que a moeda americana vai perder seu papel de protagonista? 

Inscreva-se na nossa newsletter!