Arrecadação do governo federal é recorde no primeiro semestre

Para o ministro da Economia, o resultado é sinal de que o Brasil entrará em ciclo de alta econômica
Imagem do Ministro Paulo Guedes, simbolizando arrecadação do governo federal

Enquanto o mundo teme uma recessão, as centenas de bilhões que a arrecadação trouxe aos cofres, trazem paz, ao menos, para a cúpula do governo federal.

Recorde trilionário

Nesta quinta-feira (21), a Receita Federal divulgou o levantamento sobre a arrecadação federal no primeiro semestre do ano. De acordo com os dados, o montante acumulado pelo governo federal no período, em valores corrigidos pela inflação, foi de R$ 1,114 trilhão.

Com o resultado, que é 11% maior do que no mesmo período de 2021, o primeiro semestre deste ano se apresenta como o mais agressivo desde 1995. Cabe salientar que o volume não vem somente de impostos, mas de todas as fontes de recursos do governo.

Leia mais:

BCE aumenta taxa de juros pela primeira vez desde 2011

Presidente Bolsonaro diz que Auxílio Brasil maior deve continuar

Governo federal tem mais recorde de arrecadação

No entanto, não foi só o acumulado do ano a surpreender. Na verdade, o resultado anual veio impulsionado pela alta de julho. Isto porque, no mês passado, a arrecadação federal atingiu o patamar de R$ 181,04 bilhões, também o maior resultado dos últimos 28 anos.

Nesse sentido, todas as fontes de recursos no abençoado mês do governo federal, tiveram altas. No destaque tivemos a alta no imposto sobre rendimentos, que subiu 97,42% impulsionado pela cobrança do “come-cotas” que incide sobre fundos de renda fixa.

O que motiva a alta?

Com os impactos da pandemia nos últimos dois anos, a economia foi afetada, atrapalhando toda a dinâmica da tributação. Com a retomada nos últimos meses impulsionando a produção e gerando mais empregos e consumo, a arrecadação acabou subindo.

Além disso, os preços altos no país também influenciaram o resultado histórico ao promover uma maior base de cálculo para impostos. Por exemplo, só no setor de combustíveis, a tributação cresceu 192,5% no semestre, dando a maior contribuição absoluta para a alta. 

Após a Receita entregar o relatório, Paulo Guedes, ministro da Economia, demonstrou entusiasmo com os resultados. Para ele, a histórica arrecadação apresentaria um cenário de crescimento sustentável do país, sinalizando que daqui pra frente é só sucesso. Será?

Inscreva-se na nossa newsletter!