Morgan Stanley alerta para outros impactos do colapso das criptomoedas

Imagem da fachada do banco Morgan Stanley, que comentou sobre os ocorridos das criptomoedas

É melhor esperar até o final, porque, nesse filme de terror das criptomoedas na última semana, ainda vai ter cenas pós-créditos. 

O banco Morgan Stanley, publicou um relatório para comentar sobre o ponto de vista da instituição, em relação aos últimos acontecimentos no mercado de criptomoedas, e apontou novos perigos e as consequências. 

Contextualizando…

Para quem não acompanhou, na última quinta-feira (12), as criptomoedas chegaram a perder mais de US$ 200 bilhões em valor de mercado. O Bitcoin chegou na sua mínima do ano, abaixo dos US$ 28 mil. 

Toda essa queda veio pelo colapso da stablecoin, TerraUSD (UST) e a altcoin Terra (LUNA). A blockchain chegou a interromper as suas operações na sexta-feira (13), mas depois voltou atrás. 

Dessa forma, atualmente, a UST está bem longe da paridade com o dólar e a LUNA vale apenas alguns centavos e respira por aparelhos.

Sobre o relatório sobre criptomoedas

Diante deste cenário, o Morgan Stanley publicou um relatório com algumas falas importantes para quem acompanha o mercado. 

O banco destacou que a queda de 40% do Bitcoin, de abril até hoje, começou pelas decisões econômicas dos Estados Unidos, mas já faz um tempo que os motivos mudaram.

Segundo a equipe de analistas do Morgan: “está ficando mais claro que todos os preços elevados foram negociados na especulação”.

Ainda assim, o documento ainda aponta, que por conta dessa nova tendência do mercado, ativos digitais como os terrenos do metaverso e as NFTs (Tokens Não-Fungíveis), caminharam pela especulação. 

E os ativos baseados neste pensamento, ainda sofrerão com as consequências do colapso das stablecoins, segundo o banco.

Inscreva-se na nossa newsletter!